'Não é uma festa democrática, é uma guerra contra a corrupção', diz deputado bolsonarista preso por ameaçar ministros

·3 minuto de leitura
Deputado Daniel Silveira, do PSL do Rio de Janeiro (Foto: Luis Macedo/Câmara dos Deputados)
Pouco depois, o parlamentar postou um vídeo: "Neste momento, 23 horas e 19 minutos, Polícia Federal aqui na minha casa, estão ali na minha sala" (Foto: Luis Macedo/Câmara dos Deputados)

O deputado Daniel Silveira (PSL-RJ), preso em flagrante na noite desta terça-feira (16), foi às redes sociais na manhã de hoje (17) e disse que a prisão “não é uma festa democrática”, mas sim “uma guerra contra a corrupção”. Silveira é alvo de dois inquéritos na corte — um apura atos antidemocráticos e o outro, fake news.

“A prisão do deputado representa não apenas um violento ataque à sua imunidade material, mas também ao próprio exercício do direito à liberdade de expressão e aos princípios basilares que regem o processo penal brasileiro”, diz trecho da nota divulgada pela assessoria do parlamentar.

Na terça-feira (16), Silveira publicou na internet um vídeo com ataques a ministros do Supremo. Ao ser preso, mais tarde, voltou às redes sociais: "Polícia Federal na minha casa neste exato momento com ordem de prisão expedida pelo ministro Alexandre de Moraes", escreveu.

Este conteúdo não está disponível devido às suas preferências de privacidade.
Para vê-los, atualize suas configurações aqui.

Pouco depois, o parlamentar postou um vídeo: "Neste momento, 23 horas e 19 minutos, Polícia Federal aqui na minha casa, estão ali na minha sala".

"Ministro [Alexandre de Moraes], eu quero que você saiba que você está entrando numa queda de braço que você não pode vencer. Não adianta você tentar me calar", afirmou.

Para a assessoria do parlamentar, não houve crime. “Os fatos que embasaram a prisão decretada sequer configuram crime, uma vez que acobertados pela inviolabilidade de palavras, opiniões e votos que a Constituição garante aos Deputados Federais e Senadores. [...] Evidente, portanto, o teor político da prisão do deputado Daniel Silveira”.

Prisão em flagrante

No entanto, não foi dessa maneira que o ministro Alexandre de Moraes, do Supremo Tribunal Federal (STF), enxergou. Após o parlamentar ter divulgado o vídeo no qual proferia ataques e ofensas aos ministros da corte, Moraes ordeneu a prisão do deputado.

Silveira foi preso em Petrópolis (RJ) e seria encaminhado à Superintendência da PF no Rio de Janeiro, no centro da capital fluminense.

De acordo com a decisão, chegou ao conhecimento do STF nesta terça o vídeo publicado pelo deputado em que ele "durante 19 minutos e 9 segundos, além de atacar frontalmente os ministros do Supremo Tribunal Federal, por meio de diversas ameaças e ofensas à honra, expressamente propaga a adoção de medidas antidemocráticas contra o Supremo Tribunal Federal, defendendo o AI-5".

O Ato Institucional nº 5, de dezembro de 1968, marcou o recrudescimento da repressão na ditadura militar no Brasil.

Moraes diz ainda que Silveira defendeu "a substituição imediata de todos os ministros [do STF]" e instigou "a adoção de medidas violentas contra a vida e segurança dos mesmos, em clara afronta aos princípios democráticos, republicanos e da separação de Poderes".

Câmara pode derrubar ordem

A prisão é em flagrante e inafiançável, mas ela também deverá ser avaliada pelos deputados e será levada à confirmação pela Câmara, em plenário. Os deputados podem derrubar a ordem, com quórum de maioria simples.

Moraes já determinou que o presidente da Casa, Arthur Lira (PP-AL), seja comunicado sobre o caso para a adoção das providências cabíveis.

O ministro-relator no STF também determinou que o YouTube seja comunicado para providenciar o imediato bloqueio do vídeo em que Silveira ataca a corte, sob pena de multa diária de R$ 100 mil. A PF deverá preservar o conteúdo da gravação.