“Não há evidências de que seja algo frequente”, diz virologista sobre reinfecção pelo coronavírus

Anita Efraim
·4 minuto de leitura
Doctor in protective gloves & workwear holding Testing Kit for the coronavirus test. The doctor is collecting nasal sample for a young lady with a sampling swab.
Teste RT-PCR é o mais confiável para detectar se há infecção pelo novo coronavírus (Foto: Getty Creative)

Acostumado a estudar a mutação de vírus como zika e dengue, a rotina do virologista Anderson Brito mudou com o surgimento do novo coronavírus. Toda a pesquisa passou a ser voltada para as possíveis mudanças nos genes do vírus.

Pesquisador na Universidade de Yale e PhD pelo Imperial College de Londres, o brasileiro explica que há um alto número de mutações no SARS-CoV-2, mas ainda não se sabe se essas mudanças nos genes do vírus influenciam em uma possível reinfecção.

“Não é toda molécula do vírus que nosso corpo é capaz de reconhecer e atacar. A depender de onde a mutação ocorre, vamos conseguir entender se gera uma mudança funcional ou não”, explica. “Em geral, é raro que uma mutação leve a uma mudança funcional drástica do vírus.”

Baixe o app do Yahoo Mail em menos de 1 min e receba todos os seus emails em 1 só lugar

No entanto, segundo Anderson, até o momento, não há provas científicas de que uma reinfecção seja possível em um período curto de tempo. “Pode acontecer? Pode. Algo esporádico, muito pouco frequente, não é descartado, mas não há evidências de que seja algo frequente”, afirma.

Há situações que podem causar confusões nas pessoas, que suspeitam de uma segunda infecção, como testes feitos com amostras mal coletadas. “Aquele cotonete (usado no RT-PCR) tem que ser inserido lá no fundo mesmo, mas é muito incômodo e muitas vezes a pessoa que está coletando não vai até o fundo e acaba não pegando a amostra”, diz.

Leia também

Dessa forma, um exame pode dar negativo, mesmo que o vírus ainda esteja presente, o que passaria a mensagem de que a pessoa está recuperada. No entanto, se o exame for feito novamente, de forma adequada, ela pode testar positivo novamente. “Isso causa uma confusão, mas é uma questão de falha na testagem, não de reinfecção”, pontua o virologista.

Anderson Brito ainda explicou que há duas ferramentas do corpo para se proteger contra o novo coronavírus: os anticorpos, elementos de resposta imunológica, e a resposta celular, que são as células T. O segundo tipo tem também capacidade de controlar o ciclo de infecção viral.

“Nós não geramos só as moléculas de anticorpos, mas também células que atuam no sistema imunológico para impedir que a infecção progrida. E quando falamos em reinfecção, temos que olhar para os dois lados, para os anticorpos e para essas células imunológicas que são geradas. Quanto mais eles durarem, menos provável uma reinfecção é”, afirma.

CLOROQUINA

O virologista tem compilado estudos relativos ao uso da hidroxicloroquina no tratamento contra a Covid-19. Ele lembra que o medicamento é eficiente para malária e lúpus, mas, cada vez mais, os estudos apontam para uma ineficiência em relação ao coronavírus.

“O que eles têm mostrado é que, infelizmente, ela apresentou, sim, uma eficácia em laboratório, em células dentro de um tubo de ensaio. Mas, quando essa droga foi utilizada na vida real, em seres humanos que estão com o sistema comprometido, essa droga não mostra o mesmo eleito”, relata.

Anderson Brito aponta para os perigos da automedicação e considera o momento atual grave. “O que tem é uma grande campanha de desinformação, com uso de meios que têm bastante alcance, como as redes sociais. E esse público, às vezes, não está munido de informações o suficiente para questionar se aquela informação é certa ou não”, diz.

Para ele, o fato de a população estar em busca de uma solução rápida e simples também facilita na crença por uma solução milagrosa. “A questão é que as respostas que a ciência dá nem sempre são simples, fáceis de compreender, porque o universo biológico é complexo.”

Na opinião do virologista, insistir no uso da hidroxicloroquina para tratar a Covid-19 trará mais malefícios, sejam econômicos ou para a saúde, do que benefícios. “Já há evidências suficiente para ver que não funciona. Seria ideal mudar o foco para uma outra droga”, afirma.