“Não podemos admitir pseudogovernadores impondo ditadura”, diz Bolsonaro

Ana Paula Ramos
·2 minuto de leitura
Presidente Jair Bolsonaro discursa em evento em Feira de Santana, na Bahia
Presidente Jair Bolsonaro, em evento na Bahia (Foto: Reprodução)
  • Presidente Jair Bolsonaro afirmou que "está na hora de o Brasil dar um novo grito de independência"

  • Em evento na Bahia, ele voltou a criticar as medidas restritivas adotadas por governadores para conter a pandemia

  • "Não podemos admitir que alguns pseudogovernadores queiram impor a ditadura no meio de vocês, usando do vírus para subjugá-los”, disse

O presidente Jair Bolsonaro afirmou nesta segunda-feira (26) que o Brasil dará, em breve, “um novo grito de independência”. Em um novo discurso contra medidas restritivas adotadas para conter o contágio da covid-19, o presidente disse que “pseudogovernadores” tentam “impor a ditadura” e que “está chegando a hora” disso terminar.

“Está chegando a hora de o Brasil dar um novo grito de independência. Porque não podemos admitir que alguns pseudogovernadores queiram impor a ditadura no meio de vocês, usando do vírus para subjugá-los”, disse em um evento do qual participou em Feira de Santana (BA).

Leia também

“Nós tratamos a questão do vírus com muita responsabilidade, mas sempre disse que além do vírus tínhamos que nos preocupar com a questão do desemprego”, acrescentou o presidente.

Bolsonaro afirmou que o Executivo não tem responsabilidade pela “destruição” de empregos durante a pandemia.

“Não foi o governo federal que obrigou vocês a ficarem em casa, não foi o governo federal que fechou comércio e não foi o governo federal que destruiu milhões de empregos. Esse suplício está chegando ao fim. Brevemente voltaremos à normalidade.”

Na sexta-feira, Bolsonaro afirmou que as Forças Armadas poderão ir às ruas para garantir a ordem no país caso as medidas restritivas promovam o que chamou de “caos”.

No evento de hoje, ele também comentou sobre os cortes no Orçamento de 2021.

“Aqueles que criticaram os cortes no Orçamento, foi cortado sim, por questão técnica, mas com toda certeza brevemente, pelas vias legais obviamente, faremos a devida recomposição do Orçamento. Porque o Brasil não pode e não vai parar”.

Na cerimônia, o presidente entregou 22 quilômetros de pistas duplicadas da BR-101 entre Feira de Santana (BA) e Divisa (SE).