Não tem como fugir da Web3, diz CEO da Dream2B sobre investimento

Imersa no universo de startups desde 2015, Regina Noppe, CEO e co-fundadora da Dream2B já conectou mais de 50 empresas brasileiras ao ecossistema de tecnologia no Canadá e considera que o metaverso e a Web3, nova fase da internet que já movimenta bilhões de dólares, são os caminhos mais promissores do mundo dos negócios.

Regina avalia que o Brasil já é um potencial mercado consumidor da Web3 e do Metaverso, mas que ainda não está pronto para desenvolver soluções para este mercado. Com a internacionalização de startups brasileiras, a empreendedora tenta abocanhar uma fatia destas oportunidades. “Não tem como fugir. Pode demorar, mas o que consideramos hoje internet será o metaverso”, afirma a CEO e co-fundadora da Drem2B.

Web3 está no foco de atenção da Dream2B
Web3 está no foco de atenção da Dream2B

Outro área que a empresária destaca é de cleantech. “A pauta de energia limpa e renovável está mais forte do que nunca”, afirma Regina. Um relatório divulgado pelo Smart Prosperity Institute, da Universidade de Ottawa, no Canadá, aponta que, até o fim de 2022, as cleantechs, ou startups verdes, valham US$ 2,5 trilhões de dólares em todo o mundo. Até 2030, a previsão é que o investimento no segmento seja de US$ 3,6 trilhões.

CEO da Dream2B relembra perrengues com idioma e falta de emprego no Canadá

Com formação em comércio exterior e experiência em multinacionais como a Sadia, Regina Noppe abraçou o desafio de morar fora do país e se mudou para o Canadá em 2005. Além da barreira inicial com a falta de fluência da língua inglesa, ela afirma ter encontrado resistência para se colocar no mercado de trabalho do país.

“Foi bem difícil, porque, mesmo tendo experiências internacionais e tendo saído do Brasil já na posição de trader, eu não conseguia emprego no Canadá. Eu considero que foi um perrengue, porque foi como zerar a vida, eu estava o tempo todo sendo julgada”, relembra Regina.