Narração de Cléber Machado na F1 faz 20 anos: "Hoje não..."

Schumacher e Barrichello não esconderam constrangimento no pódio do GP da Áustria. Foto: Tom Shaw/Getty Images
Schumacher e Barrichello não esconderam constrangimento no pódio do GP da Áustria. Foto: Tom Shaw/Getty Images

Era um domingo de dia das mães, e o brasileiro acordou cedo para acompanhar o Grande Prêmio da Áustria de 2002.

O motivo da confiança dos torcedores era Rubens Barrichello, piloto da Ferrari, que havia feito a pole e vinha em um grande fim de semana no circuito europeu.

Leia também:

Rubinho mostrou que realmente estava bem e liderou 69 das 71 voltas e chegou até os metros finais do traçado liderando. Só que uma ordem da escuderia italiana, tirou dele o lugar mais alto do pódio.

O brasileiro teve que ceder a posição ao companheiro de equipe, Michael Schumacher, naquela que era apenas a sexta etapa do campeonato mundial.

Mas o que mais marcou quem acompanhava aquele GP em Spielberg, que completou 20 anos nesta semana, foi da narração de Cléber Machado, responsável por contar a história daquela corrida na TV Globo.

Lembrando de um fato parecido ocorrido um ano antes, o narrador mostrou empolgação e não acreditava que iria acontecer novamente.

"Eles vão até a última curva, foi na última no ano passado... Hoje não, hoje não, hoje sim... hoje sim. É inacreditável! Não há nenhuma necessidade de a Ferrari fazer isso", relatou o narrador sem acreditar no que tinha acabado de presenciar.

Em entrevista em 2014, Cléber Machado lembrou como tudo aconteceu e deu detalhes da narração que ficou marcada e é lembrada mesmo após 20 anos terem se passado.

“Algumas pessoas acham que esse episódio foi ridículo, uma gafe. Considero espontâneo. Um ano antes, em 2001, a Ferrari mandou que eles trocassem de posição. Naquele ano, em 2002, era outro momento do campeonato e aqueles pontos não fariam tanta diferença. Barrichello era pole, foi líder nos treinos e era líder na corrida. O Reginaldo Leme, então, disse que era preciso lembrar que, no ano anterior, havia tido a inversão. Eu disse que não aconteceria e ele falou: "Eu não apostaria". Respondi: "Então eu vou apostar, eles não vão fazer isso nesse momento do campeonato, não vão tirar a vitória", contou.

“E a corrida andou. Na última volta, comecei a falar: "No ano passado aconteceu aquilo, mas que esse ano acho que não". Aí o Barrichello freia e o cara passa. Hoje sim. Mas a gente bateu bem na Ferrari”, finalizou o narrador.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos