Nas redes, bolsonarismo busca associar Lula a aborto, e esquerda reage com debate sobre saúde e pandemia, mostra levantamento

WhatsApp Image 2022-10-29 at 16.51.11.jpeg

O tema "saúde e pandemia" predominou na discussão nas redes sociais durante e após o debate presidencial exibido pela TV Globo, na noite de sexta-feira. O assunto ganhou protagonismo quando o ex-presidente Lula (PT), no terceiro bloco, acusou o adversário Jair Bolsonaro (PL) de ser a favor da distribuição de pílulas abortivas como método de controle de natalidade entre a população mais pobre, citando uma fala do presidenciável de quando ele ainda era deputado federal.

A conclusão é de um levantamento dos pesquisadores Ana Julia Bonzanini Bernardi, doutora em Ciência Política pela UFRGS, Maria Paula Almada, pesquisadora do Instituto Nacional de Ciência e Tecnologia em Democracia Digital (INCT.DD), e Tiago Borges, doutorando em Ciência Política pela UFPR. No Twitter, a repercussão do assunto alcançou 32 milhões de contas e o tema saúde e pandemia foi citado cerca de 11.216 vezes. Além da discussão sobre pandemia, que envolveu, por exemplo, a compra de vacinas, educação, com foco na merenda escolar, e economia, com o reajustar o salário mínimo, também se destacaram.

No Debate, Lula questionou Bolsonaro sobre uma declaração antiga em defesa da distribuição de pílulas abortivas.

— Candidato se lembra desse discurso? “Não adianta uma multidão de brasileiros subnutridos sem condição de servir ao seu país”, concluiu o então deputado que oferece que seja distribuída pílula de aborto para a sociedade brasileira, em 1992, quando era deputado — confrontou Lula, lendo um papel. — Falou isso ou não?

Ainda de acordo com o estudo, perfis bolsonaristas utilizaram uma postagem feita pelo filho do presidente e senador Flávio Bolsonaro (PL), que reproduz uma entrevista antiga de Lula, citada como "bala de prata" para tentar associar a imagem do petista à legalização do aborto — tema caro aos bolsonaristas. Em resposta, a esquerda mobilizou uma contranarrativa, resgatando a fala do presidente em que ele defende o uso de pílulas abortivas.

Para a pesquisadora Ana Julia Bonzanini Bernardi, a esquerda teve um melhor desempenho na atuação digital ao pautar, nas redes, temas e questões sobre as quais Lula se saiu melhor.

— A esquerda foi rápida e organizou bem o debate online para capturar as pautas principais onde o Lula teve mais força. O tema saúde repercutiu muito pelo tamanho dos números da pandemia, que são gritantes. Mesmo pessoas que votam no Bolsonaro criticam esse expoente — disse a pesquisadora, acrescentando: — Lula questionou a Bolsonaro temas relacionados à compra de Viagra, que é um assunto quente em que as pessoas acham graça e acaba virando piada. Mesmo recebendo ataques por parte da direita, o petista predominou as redes.

Postura no debate: de acordo com os pesquisadores, o atual presidente foi criticado por atacar a imprensa e gerar “direito de resposta” ao apresentador William Bonner, bem como por atacar o TSE diretamente. No Twitter, Bolsonaro foi associado à agressividade e criticado por demonstrar suposto despreparo no debate. Ainda segundo o levantamento, a tentativa de colar Roberto Jefferson em Lula não teve aderência.

Saúde e pandemia: a maior parte das questões relacionadas à pandemia partiu de Lula para Bolsonaro, que o acusou da morte de milhares de brasileiros, da demora para a compra das vacinas e da ineficácia de seu governo ao gerir essa crise de saúde pública sem precedentes. Bolsonaro, por sua vez, abordou a pandemia para justificar certas escolhas orçamentárias do governo.

Economia e meio ambiente: Outros pontos destacados que repercutiram nas redes foram os números de desmatamento da Amazônia, citados por Bolsonaro, o caso da compra de Viagra pelas Forças Armadas e o fato de o atual presidente não ter respondido de forma clara como pretende reajustar o salário mínimo.

Educação: o foco foi a merenda escolar. Lula afirmou que o valor da merenda no governo Bolsonaro é muito baixo. O tema da educação também incluiu debates de economia e orçamento, além da educação, no sentido de decoro, dos candidatos.

Na direita: nas redes bolsonaristas, os principais destaques das falas de Bolsonaro foram sobre economia, pois, na avaliação de apoiadores do presidente, seria o tema em que o candidato mais se destacava em relação a Lula. Os ataques de Bolsonaro à imprensa geraram engajamento.

Na esquerda: embora Lula tenha sido acusado diversas vezes de "mentiroso" por Bolsonaro, nas redes o termo foi mais atribuído a Bolsonaro. Postagens destacaram a fala do apresentador William Bonner sobre se embasar em decisões do Supremo Tribunal Federal (STF) ao afirmar que Lula não tem mais pendências com a Justiça. Estiveram em alta no Twitter postagens mostrando que "Lula inocente” era um dos principais assuntos do momento. Lula também foi elogiado pelas respostas e questionamentos sobre a pandemia e defesa do meio ambiente.