NASA: missão Artemis 1 realizará 1º experimento biológico no espaço profundo

NASA: missão Artemis 1 realizará 1º experimento biológico no espaço profundo
NASA: missão Artemis 1 realizará 1º experimento biológico no espaço profundo
  • Leveduras a bordo de um microssatélite ajudarão os cientistas a estudarem como a radiação espacial afeta as células;

  • A radiação espacial pode causar câncer e outras doenças;

  • Até agora, as experiências de biologia foram limitadas ao sistema Terra-Lua.

Quando a missão Artemis 1 da NASA for lançada, atualmente programada para 29 de agosto, o novo foguete Space Launch System (SLS) levará à Lua não apenas a cápsula Orion de próxima geração da agência espacial, mas também 10 cubesats . Um desses “microssatélites” é a missão BioSentinel, que será o primeiro experimento de biologia de longa duração no espaço profundo. Até agora, as experiências de biologia foram limitadas ao sistema Terra-Lua.

O cubesat carrega células de levedura e entrará em uma órbita ao redor do Sol semelhante à da Terra. A partir daí, os cientistas estudarão como a radiação espacial afeta as células.

“O BioSentinel é o primeiro desse tipo”, disse Matthew Napoli, gerente de projeto BioSentinel no Centro de Pesquisa Ames da NASA, na Califórnia, em um comunicado . "Ele levará organismos vivos mais longe do que nunca no espaço. Isso é muito legal!"

De acordo com a NASA, a radiação espacial se forma quando os átomos viajam tão rapidamente que perdem seus elétrons, deixando para trás apenas o núcleo . A agência chama essa partícula de "uma bala de canhão em escala atômica" por causa dos danos que a radiação pode causar. O campo magnético da Terra protege a maioria dos humanos da radiação espacial, que pode causar câncer e outras doenças.

Objetivo da missão

Quando os astronautas saem da órbita baixa da Terra para missões de longa duração, eles ficam expostos, daí o interesse da NASA em estudar a radiação e seus impactos. A missão BioSentinel faz parte desta pesquisa. Como as células de levedura têm mecanismos biológicos semelhantes às células humanas – talvez o mais importante, ambos os organismos carregam informações genéticas em fitas duplas de DNA – elas podem servir como cobaias para experimentos de radiação para demonstrar o que pode acontecer com humanos em uma situação semelhante.

As células de levedura começaram sua jornada seca, alojadas em pequenos cartões armazenados a bordo do cubesat. À medida que o Artemis 1 explode em direção à lua, o BioSentinel se separará e entrará em sua órbita no espaço profundo ao redor do Sol. Assim que o cubesat estiver fora do alcance do campo magnético da Terra, os pesquisadores da missão ativará estrategicamente a levedura ao longo de 12 meses, e a pesquisa começará.

O BioSentinel é, na verdade, um de um trio de experimentos idênticos: um acontecerá a bordo da Estação Espacial Internacional e outro acontecerá na Terra. Com esses dados, os cientistas podem comparar os efeitos da radiação na Terra, na órbita baixa da Terra e no espaço profundo, ajudando a pavimentar o caminho para missões tripuladas a Marte e além.