NASA pede ajuda para criar tecnologias de produção de alimentos no espaço

·2 min de leitura

A competição Deep Space Food Challenge convida o público a ajudar no desenvolvimento de tecnologias e sistemas inovadores para a produção de alimentos em outros mundos, exigindo o mínimo de recursos e produzindo a menor quantidade de resíduos possível. A iniciativa é realizada pela NASA, em coordenação com a Agência Espacial Canadense (CSA), e integra o trabalho de preparação para levar astronautas em missões a destinos distantes.

A primeira fase do desafio ocorreu em 2021 e 18 equipes foram premiadas por seus conceitos de tecnologias inovadoras, capazes de criar produtos alimentícios seguros, nutritivos, estáveis e de alta qualidade, exigindo recursos mínimos. Agora, a NASA convida equipes já existentes e novas para dar início à Fase 2 do desafio, para a construção e demonstração de protótipos dos projetos para apresentá-los a uma equipe de jurados.

Nesta nova etapa, os participantes precisam se inscrever até o dia 28 de fevereiro. Os interessados dos Estados Unidos podem disputar parte de um prêmio de até US$ 1 milhão da NASA, e quem vive no Canadá pode participar de uma competição paralela da CSA. Neste caso, o cadastro e processo de análise dos jurados, bem como a premiação, vão ocorrer separadamente daqueles da NASA.

Segundo a agência espacial norte-americana, equipes internacionais que estiverem de acordo com os requisitos podem participar, mas não serão elegíveis para prêmios em dinheiro.

Por dentro do Deep Space Food Challenge

A ideia do Deep Space Food Challenge é que os participantes criem alguma tecnologia, sistema ou iniciativa que possa ser integrada a um sistema completo de produção de alimentos, capaz de sustentar uma tripulação de quatro astronautas em uma missão de três anos no espaço profundo.

Os interessados precisaram considerar o que for necessário para armazenar, preparar e entregar os alimentos aos tripulantes, considerando também a produção, processamento, transporte, consumo e descarte de resíduos.

Astronautas a bordo da Estação Espacial Internacional, com pimentões produzidos por lá (Imagem: Reprodução/NASA)
Astronautas a bordo da Estação Espacial Internacional, com pimentões produzidos por lá (Imagem: Reprodução/NASA)

Jim Reuter, administrador associado da diretoria de tecnologias espaciais na NASA, explica que alimentar astronautas por longos períodos, dentro das restrições das viagens espaciais, é algo que exige soluções inovadoras. “Empurrar as fronteiras da tecnologia alimentar manterá os futuros exploradores saudáveis, e pode até ajudar a alimentar pessoas por aqui, em casa”, disse.

Em uma missão de vários anos de duração com destino a Marte, por exemplo, alimentos pré-embalados não serão o suficiente para manter a saúde dos astronautas. Além disso, a insegurança alimentar é um problema crônico em nosso planeta tanto em regiões rurais quanto urbanas. Assim, as tecnologias desenvolvidas para o desafio podem ser usadas não somente em missões espaciais, mas também na Terra, servindo como uma solução humanitária no caso de enchentes e outros desastres, por exemplo.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech:

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos