Nave do Conhecimento de Madureira é reaberta, e outras sete voltarão a funcionar em 2022

·3 min de leitura

Após quase dois anos fechada por causa da pandemia, a Nave do Conhecimento do Parque de Madureira, na Zona Norte do Rio, foi reaberta nesta sexta-feira. Ela foi a segunda unidade a ser reinaugurada com o objetivo de ser um polo de educação e tecnologia. Ainda há sete fechadas, entre bairros da Zona Norte e Oeste da cidade. A previsão, segundo o secretário municipal de Ciência e Tecnologia, Willian Coelho, é que todas estejam funcionando até o final de 2022:

— Estamos com a previsão para, a partir de janeiro, abrir todas as outras. O cronograma de abertura será realizado de acordo com o que a organização social (que faz o levantamento para o funcionamento) passar para a secretaria.

Criada em 2012 e fechada em 2020, essa e outras unidades da Nave do conhecimento foram projetadas para ser um ponto de conhecimento em áreas pouco desenvolvidas da cidade. O foco do ensino é em Informática Básica, Economia Criativa, Tecnologias da Informação, Robótica e Programação, Trabalho e Empreendedorismo.

O equipamento de Madureira voltará a funcionar para todos os públicos de terça-feira a sábado, de 9h às 21h, e aos domingos, de 9h30 às 16h30, horário de funcionamento do parque. Haverá oficinas, cursos e aulas ministradas, ao mesmo tempo, para as outras unidades que serão reabertas no ano que vem, de forma remota. Há também monitores com internet para visitantes. Basta fazer o cadastro com login e senha em um dos totens na entrada da unidade.

— Queremos que o espaço seja utilizado para trabalhar a capacitação dos nossos jovens. Nós temos um mercado de trabalho pujante na área de tecnologia e temos um déficit muito grande de pessoas capacitadas para ocupar esse mercado. É isso que queremos focar na nave — explica Coelho.

A segunda unidade reaberta foi a de Engenho de Dentro, na Zona Norte, inaugurada em 2012 e fechada em 2018 durante a última gestão. Também na região, as outras que ainda serão reabertas são: a da Penha, Irajá, Triagem, Nova Brasília e Vila Aliança; e a de Santa Cruz e Padre Miguel, que ficam na Zona Oeste do município.

Júlio Lobão, de 57 anos, comemorou o funcionamento da Nave. Morador de Costa Barros, na Zona Norte, ele diz que "dá um jeito" de ir para a Nave do Conhecimento em busca de emprego, que ele busca há três anos desde quando ficou desempregado. Antes ele ia até uma unidade do Poupa tempo, na Pavuna, próximo de onde mora. Agora, ele diz que prefere ir até a Nave:

— Eu usava a unidade antes. Senti quando fechou. Aqui eu olho e-mail, rede social e procuro emprego, de qualquer tipo. Eu anoto todas as empresas em um caderno e rodo em sites para me cadastrar. Fiquei muito feliz.

Para o prefeito do Rio, Eduardo Paes, a reabertura serve para reforçar a democratização do acesso à tecnologia para todos:

— A população precisa disso. Esse é um espaço muito especial, que permite as novas gerações para aqueles que tem menos condições de terem acesso a tudo o que é mais moderno em tecnologia, internet e mundo digital. É papel do poder público promover isso.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos