Negacionista eleitoral perde disputa no Michigan; Arizona e Nevada ainda não confirmaram vencedores

A candidata republicana à secretária de Estado do Michigan Kristina Karamo em campanha

Por Michelle Nichols

NOVA YORK (Reuters) - Uma defensora das falsas alegações de fraude eleitoral feitas pelo ex-presidente norte-americano Donald Trump perdeu a disputa para supervisionar a votação no Estado do Michigan, mas não ficou claro na quarta-feira se outros dois negacionistas das eleições teriam sucesso em disputas semelhantes no Arizona e em Nevada.

A secretária de Estado democrata de Michigan, Jocelyn Benson, conseguiu resistir ao desafio da republicana Kristina Karamo, que, caso tivesse vencido, poderia ter usado o cargo para influenciar o resultado da eleição presidencial de 2024 em um Estado decisivo.

A Edison Research ainda não havia projetado se os candidatos negacionistas das eleições teriam sucesso no Arizona e em Nevada, também Estados que desempenham um papel fundamental na decisão das eleições presidenciais dos EUA em 2020.

O presidente democrata Joe Biden venceu por pouco no Michigan, Arizona e Nevada em 2020, e Trump e seus aliados alegaram falsamente que os resultados eram fraudulentos.

Grupos de direitos ao voto e estudiosos constitucionais temem que qualquer secretário de Estado que acredite nas alegações de fraude de Trump possa tentar contestar ou ignorar o voto popular nas eleições presidenciais de 2024, recusar-se a certificar o resultado ou até mesmo alegar que o candidato perdedor realmente venceu seu Estado.

Karamo ganhou destaque quando afirmou em 2020 que havia testemunhado fraudes no conselho de contagem de eleitores ausentes de Detroit como observadora das eleições. Nenhuma evidência surgiu apoiando essas alegações.

As corridas em Michigan, Arizona e Nevada são particularmente importantes porque são Estados decisivos para o resultado nacional das eleições.

(Reportagem de Michelle Nichols)