'Nem Bolsonaro nem Lula, sou o Brasil', diz Zezé Di Camargo, líder dos sertanejos que foram apoiar candidato à reeleição

***ARQUIVO***SÃO PAULO, SP, 08.08.2019 - O cantor sertanejo Zezé di Camargo. (Foto: Mathilde Missioneiro/Folhapress)
***ARQUIVO***SÃO PAULO, SP, 08.08.2019 - O cantor sertanejo Zezé di Camargo. (Foto: Mathilde Missioneiro/Folhapress)

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - Apesar de ser uma das cidades mais procuradas do mundo quando o assunto é turismo de negócios, a capital paulista vive outra realidade quando o assunto é o turismo de lazer, para viajantes comuns e suas famílias. Aqui museus ficam fechados longos anos, outros são fechados sem que sejam fornecidos esclarecimentos ao público e alguns sequer são inaugurados, mesmo depois de absorverem milhões dos cofres públicos.

Mas não são apenas os museus que decepcionam quem procura atrações turísticas em São Paulo para conhecer melhor a cidade. Os ônibus circulares de turismo simplesmente desapareceram das ruas desde a pandemia.

CIRCULAR TURISMO SP

Inaugurado em 2016 durante a gestão do prefeito Fernando Haddad (PT) o Circular Turismo SP foi um importante marco no turismo em ônibus na capital paulista, com o mundialmente conhecido "sightseeing" já que a cidade era uma das únicas das grandes no mundo que ainda não ofereciam o serviço. Nesta modalidade o passageiro paga uma única tarifa e pode passear de ônibus por todo o itinerário da linha, descendo e subindo onde desejar, bastando aguardar o próximo ônibus do sistema para embarcar e prosseguir na viagem, com validade de até 24 horas. Custava R$ 40.

O serviço turístico foi um sucesso desde o início. Com os veículos conduzidos apenas por motoristas mulheres, os ônibus que operavam no circular turístico eram equipados com aparelhos GPS que identificavam o local onde ele estava no trajeto, liberando naquele momento as informações turísticas no sistema de som em três idiomas: português, inglês e espanhol. As pessoas também recebiam guias de atrações da cidade ao embarcar.

Durante o trajeto a linha circular de turismo passava por diversos pontos turísticos da capital paulista, como estádio do Pacaembu, avenida Paulista, estação da Luz, Pinacoteca do Estado, Museu da Língua Portuguesa, Liberdade etc. Outro benefício é que ao comprar o bilhete o passageiro ganhava direito a entrar de forma gratuita em alguns museus paulistanos.

PAROU NA PANDEMIA E NÃO VOLTOU

Um serviço tão bem idealizado como este era uma fórmula perfeita de sucesso e o sistema foi muito bem-sucedido, igualando o Brasil às principais capitais do mundo que oferecem esse tão procurado serviço. Entre as vantagens, além da economia entrando em museus gratuitamente, está também a segurança já que era possível fotografar e filmar diversos pontos da cidade, que costumam ser inseguros, sem a necessidade de desembarque.

Durante a pandemia o serviço foi suspenso o que até é perfeitamente compreensível. Contudo com o término do isolamento e a volta da normalidade nos transportes, reabertura de museus e demais atrações turísticas o Circular Turismo SP não retornou.

A suspensão do circular de turismo deixou na mão milhares de turistas locais ou que visitam nossa cidade e que viam na linha circular um serviço seguro, ágil e econômico para conhecer São Paulo. Especialmente para aqueles que na correria de uma viagem de negócios, por exemplo, dispunham de apenas um dia para conhecer as principais da capital paulista.

Esta coluna consultou a Secretaria Municipal de Turismo (SMTUR) sobre a suspensão do serviço da linha circular turismo que respondeu informando "que a linha deverá ser retomada ainda no primeiro semestre de 2023, após reformulação que está em estudo".

Que dificuldade é essa do poder público em manter um serviço funcionando ? Foram gastos milhares de reais na criação do serviço circular e agora os ônibus estão parados em uma garagem. O fato de a SMTUR ter sido reorganizada em abril de 2022 não justifica a suspensão de um serviço que funcionava tão bem.

Me pergunto: qual a dificuldade de manter o serviço em plena atividade até uma nova modalidade ser implementada? Ao paulistano e ao turista resta agora esperar que a promessa se cumpra e o serviço volte a operar. Afinal andar a pé nos principais pontos turísticos da cidade é pedir para ser assaltado e ter seu celular furtado. Simplesmente não dá.