Netflix enfrenta problemas em testes de cobrança por 'senhas emprestadas', diz site

Os testes de cobrança da Netflix por "senhas emprestadas" têm sido confusos, segundo informações do site de tecnologia Rest of World. Desde março, a plataforma de streaming cobra, no Peru, Chile e Costa Rica, cerca de US$ 2 a cada duas pessoas que usem a senha de um assinante e não façam parte de sua residência. Um dos problemas tem sido definir quem faz parte ou não desse ambiente. Muitos usuários ouvidos pela reportagem têm recebido mensagens variadas sobre o assunto. Alguns têm sido cobrados, outros não.

"A falta de clareza sobre como a Netflix determina uma 'residência' e as diferentes tarifas cobradas de variados clientes deixaram os assinantes confusos, arriscando ações de órgãos de defesa dos consumidores", diz a reportagem, que ouviu dezenas de assinantes no Peru.

Representantes da Netflix no Peru ouvidos pelo Rest of World dizem entender que muitos assinantes acabam entendendo residência como pessoas da família, mas o termo se refere estritamente a quem divide um espaço de moradia. A companhia confirmou também que o teste está em andamento e, por isso, clientes podem ter experiências de cobrança diferentes no momento.

A confusão tem chamado atenção do órgãos locais de defesa de consumidores. Em maio, representantes de agências do três países recomendaram, conjuntamente, que a empresa americana crie canais claros de comunicação com os consumidores, já que os conceitos de "casa" e "família" podem ser diferentes entre os usuários. Os reguladores levantaram também preocupações relativas aos transtornos entre assinantes que acessam suas contas em outras localidades geográficas, quando, por exemplo, viajam e por isso correm o risco de sofrer cobrança adicional.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos