Neymar já sente calafrios longe de Messi

Se ainda estivesse no Barcelona, a simples ideia de fazer com Lionel Messi o mesmo que fez a Cavani sequer passaria pela cabeça de Neymar. E talvez tenha sido por isso mesmo que o brasileiro deixou o Camp Nou, já que o seu amigo é unanimidade – por direito – dentro do Barça.

É impossível ultrapassar Messi na hierarquia barcelonista, e além disso a amizade entre os membros do antigo Trio MSN é muito velorizada pelos três pés do tridente. Desde a chegada de Neymar, o argentino o recebeu de braços abertos [da mesma maneira como Ronaldinho Gaúcho fez antes com o próprio Messi.

Neymar I Barcelona I GFX

Pulverizador de recordes, Messi já não demonstrava irritação quando algum companheiro lhe pedia para bater um pênalti ou falta. Isso está registrado quando Luis Suárez brigava pela Chuteira de Ouro, e até mesmo quando Neymar pediu para cobrar a falta que fez o 4 a 1 para o Barcelona naquele histórico 6 a 1 sobre o PSG.

No entanto, talvez tenha sido na virada heroica sobre os parisienses que Ney começou a pensar em deixar o Camp Nou. Embora tenha sido o grande protagonista do jogo, a foto popularizada nos jornais foi a de Messi, com punhos cerrados, nos braços dos torcedores.

Lionel Messi Barcelona Fans Barcelona PSG Champions League 09032017
Messi, após a histórica virada sobre o PSG (Foto: Getty Images)

É aí que entra o Paris Saint-Germain, com grandes promessas de grandiosidade e um caminhão de dinheiro nunca visto antes no futebol. Na capital fracesa, Neymar teria que ser o dono do time. Só que experiência não se compra com petrodólares, e se possui toda essa hierarquia no futebol Messi a construiu com protagonismo em gols e títulos.

Neymar PSG
(Foto: Getty Images)

Neymar tem um grande talento, e provavelente será eleito o melhor jogador do mundo em um futuro próximo. Mas precisará exercitar um pouco mais a sua paciência, assim como o próprio Messi já fez no início de carreira, e como fizeram nomes históricos como Zlatan Ibrahimovic, Thierry Henry, Dani Alves e Xavi. Liderança não compra, tampouco se exige: se ganha.