Nicarágua vai transformar sede da OEA em Manágua em 'museu da infâmia'

  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
Integrantes das Forças Especiais da Nicarágua montam guarda diante da sede da Organização dos Estados Americanos (OEA) em Manágua, em 25 de abril de 2022 (AFP/OSWALDO RIVAS) (OSWALDO RIVAS)
Neste artigo:
  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.

O governo de Daniel Ortega declarou, nesta terça-feira (26), de "utilidade pública" o imóvel que abrigava os escritórios da OEA na Nicarágua e anunciou que o mesmo será transformado em museu, após a expulsão da organização do país centro-americano.

O edifício que era ocupado pela Organização dos Estados Americanos (OEA) "foi declarado de utilidade pública e passará para o Estado" onde, através do Instituto de Cultura, será criado "o museu da infâmia", disse a vice-presidente e porta-voz do governo, Rosario Murillo, durante o seu habitual discurso diário através de meios oficiais.

"O que é mais infame que esse ministério de colônias", acrescentou Murillo, em referência à organização regional, após confirmar sua "expulsão", efetuada no domingo.

O edifício de três andares está situado em uma área exclusiva na zona sudeste da capital Manágua, e, após a expulsão da delegação da OEA, ficou sob custódia de agentes da polícia.

No último domingo, a Nicarágua também adiantou sua saída da OEA, da qual já havia antecipado sua retirada em novembro de 2021, depois que a organização regional não reconheceu a eleição de Daniel Ortega para o quarto mandato consecutivo, com seus principais adversários presos.

O chanceler nicaraguense, Denis Moncada, informou que o seu país estava deixando imediatamente de participar da OEA e que retiraria as credenciais de seus representantes em Washington. "A Nicarágua está expulsando a Organização dos Estados Americanos", garantiu.

A secretaria geral da OEA havia denunciado no domingo que a ocupação dos seus escritórios era um ato "ilegítimo" e uma violação das normas internacionais.

"Seus escritórios, arquivos e documentos gozam da mais absoluta inviolabilidade. Sua violação pelas autoridades nicaraguenses as torna internacionalmente responsáveis por suas consequências", acrescentou.

A declaração de utilidade pública às instalações da OEA é o último episódio de uma série de acontecimentos nas relações entre Manágua e a organização nos últimos quatro anos, no contexto de uma crise política detonada por protestas antigovernamentais em 2018.

jr/mav/gm/rpr/mvv

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos