Nigéria resgata mais de 300 estudantes sequestrados pelo Boko Haram

·2 minuto de leitura

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - Mais de 300 estudantes sequestrados no estado de Katsina, no noroeste da Nigéria, na semana passada, foram entregues a agentes de segurança do governo nesta quinta-feira (17), disse o governador Aminu Bello Masari. Os jovens, cujo rapto foi reivindicado pelo grupo terrorista Boko Haram em uma gravação, estão a caminho de casa e devem ser examinados pelos médicos antes de se reunirem com suas famílias, informou Massari ao canal estatal NTA. Um total de 344 meninos foram encontrados em uma floresta no estado vizinho de Zamfara, segundo o governador, mas ainda há desaparecidos. "Nós recuperamos a maioria, mas não são todos eles." Mais cedo nesta quinta, um vídeo foi divulgado supostamente mostrando membros do Boko Haram com alguns dos meninos. As imagens, com o emblema dos terroristas, mostra um grupo de meninos em um bosque pedindo para que as forças de segurança deixem a área. O pai de um dos desaparecidos, que se identificou apenas como Umar, disse que seu filho, Shamsu Ibrahim, era um dos garotos falando no vídeo. "Todos os exércitos que vieram aqui para nos ajudar, por favor, mandem-nos de volta. Eles não podem fazer nada para nos ajudar", diz o menino. O Boko Haram tem um histórico de transformar cativos em combatentes jihadistas. Manifestantes marcharam na cidade de Katsina com cartazes dizendo "traga nossos meninos de volta". "O norte da Nigéria foi abandonado à mercê de insurgentes cruéis, bandidos, sequestradores, ladrões armados, estupradores e uma variedade de criminosos endurecidos", disse Balarabe Ruffin, da Coalizão de Grupos do Norte. Na sexta (11), mais de cem homens armados com fuzis AK-47, em motos, atacaram a escola secundária na cidade de Kankara. Muitos estudantes conseguiram fugir, mas mais de 300 foram alcançados, separados em vários grupos e levados pelos terroristas, segundo moradores ouvidos pela agência de notícias AFP. Em uma mensagem de áudio divulgada ne segunda (15), um homem que se identifica como líder do grupo terrorista reivindicou o sequestro. "O anúncio da reivindicação pelo Boko Haram destruiu toda a esperança que tinha de voltar a ver meu filho em breve", disse Ahmed, pai de um dos desaparecidos, que se reuniu com outros pais perto da escola agora vazia. O Boko Haram, cujo nome, na língua local hausa, significa "a educação ocidental é proibida", atua no nordeste da Nigéria desde 2009. O novo sequestro pode significar uma expansão do grupo para o noroeste do país --ou indicar que formaram alianças com militantes que atuam na região. O grupo terrorista também está por trás do sequestro de mais de 200 meninas de uma escola secundária na cidade de Chibok, em 2014.