No Botafogo, Montenegro diz que sai da gestão se não vierem investidores: 'No limite'

Igor Siqueira
Carlos Augusto Montenegro, ex-presidente do Botafogo

A diretoria do Botafogo trata o mês de junho como decisivo para obter uma perspectiva de futuro a curto prazo em relação ao projeto S/A. Apesar da pandemia, a tentativa é, finalmente, captar investidores para tirar o clube do atual cenário de insolvência.

A falta de uma solução no horizonte reverbera no aspecto político. O ex-presidente Carlos Augusto Montenegro já comunicou aos pares o plano de deixar o comitê gestor do futebol em julho, caso não haja uma guinada na situação, com um surgimento de um quadro mais otimista sobre a transformação do clube em empresa.

— O Botafogo não tem condição de sobreviver sem dinheiro novo. Está todo mundo no limite porque não tem condição. Não adianta viver de esmola. Poderia ter dinheiro vendendo algum jogador, mas para sobreviver dois, três meses. Isso não está me fazendo bem — disse Montenegro ao GLOBO.