No Brasil, Lewis Hamilton recebe liderança do PT e protesta por justiça

Piloto de Fórmula 1, Lewis Hamilton, na Câmara dos Deputados, no dia 7 de novembro
Piloto de Fórmula 1, Lewis Hamilton, na Câmara dos Deputados, no dia 7 de novembro. Foto: REUTERS/Adriano Machado

Resumo da notícia:

  • Lewis Hamilton encontrou com ativistas após receber honraria

  • Novo cidadão brasileiro protestou por Marielle Franco

  • Piloto recebeu Benedita da Silva, importante figura do PT

Lewis Hamilton fez questão de reforçar seu ativismo em passagem pelo Brasil nesta semana. Após receber o título de cidadão honorário na Câmara dos Deputados, em Brasília, o piloto de Fórmula 1 se dirigiu ao consulado do Reino Unido para receber algumas lideranças sociais de relevância da comunidade negra.

Inclusive, a honraria concedida ao britânico foi justificada pelo empenho social do esportista contra o racismo, além de outros movimentos importantes.

Dentre os brasileiros que encontraram Hamilton, a deputada federal Benedita da Silva (PT) esteve presente no local. Uma das figuras mais representativas do Partido dos Trabalhadores pelo movimento negro, a ex-governadora do Rio de Janeiro teve a oportunidade de bater um papo com o piloto.

"O nosso mais novo cidadão honorário, Lewis Hamilton! 7 vezes campeão mundial e apaixonado pelo nosso país. Infelizmente, foi muitas vezes vítima de racismo, até mesmo por ex-piloto da F1. Esta homenagem não vai apagar a violência sofrida, mas é uma resposta importante", escreveu em seu Twitter.

A jornalista Anielle Franco aproveitou a oportunidade de interagir com Hamilton para protestar por justiça pela irmã, Marielle Franco, assassinada a tiros junto do motorista Anderson Gomes, em março de 2018, na capital carioca. Eles estenderam juntos uma bandana amarela com "Justiça por Marielle", já que a investigação de sua morte segue sem conclusão. "Além de lindo, disse que já tinha lido e ouvido falar sobre a Mari!", publicou ela em seu perfil.

Vale lembrar que é diretora do Instituto Marielle Franco, criado a fim de preservar a memória e o legado da socióloga negra e feminista, além de insistir na luta por justiça contra os assassinos da até então vereadora do PSOL.

Quem também teve a chance de conversar com Lewis Hamilton foi o advogado Joel Luiz Costa, ativista pelos direitos humanos. Coordenador do Instituto de Defesa da População Negra e da Coalizão Negra por Direitos, ele é um dos grandes representantes da advocacia negra no país. Na luta pela política antirracista, ele ainda ajuda a promover o acesso gratuito da comunidade negra ao serviço jurídico.

O detalhe é que o encontro só foi possível por conta de uma arrecadação de fundos nas redes sociais, popularmente chamada de "vaquinha", para que Joel conseguisse arcar com os custos da viagem até a capital do Brasil.

Outro brasileiro contemplado pela companhia de Hamilton foi o comunicador social Rene Silva, fundador da jornal Voz das Comunidades, um importante veículo comunitário das favelas do Rio de Janeiro. Após entregar o boné com a sigla CPX para Luiz Inácio Lula da Silva (PT) durante a campanha presidencial, Rene presenteou o piloto britânico com outro boné da mesma sigla. Na cor verde e amarela, em referência ao Brasil, o item estampa a abreviação de "complexo", que se refere às comunidades da capital carioca.