No carnaval da pandemia, bambas se preparam para pôr o bloco na internet

Rafael Galdo e Ana Branco
·4 minuto de leitura

O Arlequim (espera-se!) não vai chorar pelo amor de Colombina no meio da multidão. A turma do funil não estará onde houver garrafa, onde houver barril. Nem vai passar na Avenida um samba popular. Mas quem disse que não vai ter balancê neste carnaval? A diferença é que o desbunde geral vai ser em casa e de respeito às regras de não aglomeração da pandemia. Muita gente bamba se prepara para pôr o bloco, desta vez, na internet, com lives, lançamentos e outras intervenções para ocupar com um pouco de alegria dias que, em outras circunstâncias, seriam de corações explodindo na maior felicidade. O convite é para se fantasiar e não deixar a folia passar em branco. Porque se a canoa não virar e a vacinação avançar, os súditos de Momo prometem que logo a Cidade Maravilhosa abrirá alas para aquele abraço num próximo mês de fevereiro.

No deste ano, com suas restrições, os blocos em conjunto, com as bênçãos dos tradicionais Bola Preta e Banda de Ipanema, conclamam: “fique em casa!”. E para incentivar que ninguém se arrisque nas ruas, já tem pré-carnaval virtual hoje. Pelas redes sociais, o Céu na Terra transmite seu Bailinho Infantil hoje, a partir das 14h. E repete a dose na web sábado que vem, com seu Baile de Carnaval, às 19h.

— Será uma apresentação com nossa estética e alguns arranjos novos, para os foliões se divertirem em casa, porque é hora de se resguardar — afirma Péricles Monteiro Neto, coordenador do bloco, que em condições normais teria tomado Santa Teresa neste fim de semana.

No mesmo compasso, o Amigos da Onça — com sua banda que se autointitula escalafobética — também aderiu à fuzarca on-line e faz sua live na próxima sexta-feira, às 21h. Enquanto que, no domingo de carnaval, será a vez do multicultural Cordão do Boitatá levar cor às redes, às 15h. Além do show ao vivo, com participações como o Jongo da Serrinha, haverá vídeos com imagens de antigos cortejos. E não ficará de fora nem o viés de sátira política do bloco, com inserções sobre temas como a pandemia, o governo e a Amazônia.

— Temos pedido para as pessoas se fantasiarem em casa, não deixarem de expressar seus pensamentos — diz Kiko Horta, um dos organizadores do Boitatá e que, entre seus figurinos de 2021, brincará com uma faixa presidencial e uma lata de leite condensado jorrando dinheiro. — O humor é uma das características do carnaval, que para nós tem um sentido transformador e de cura.

Imbuído de espírito parecido, o Bloco das Carmelitas lançou camiseta e até samba para 2021, no qual canta que, não importa se “russa, chinesa ou ianque”, o folião quer vacina. E o Monobloco não só estreia, na próxima terça-feira, dez vídeos inéditos, gravados de forma remota, como se aventurará num mundo novo para a folia. Vai ter desfile do bloco, trio elétrico e até abadá no primeiro carnaval dentro de um game no Brasil, a partir de sexta-feira, na plataforma Cidade Alta RP — espaço virtual em que os participantes podem interpretar os personagens que quiserem.

— No carnaval, não vai ter aglomeração nem beijo na boca. Mas mataremos um pouquinho da sede da galera. Será diversão com responsabilidade — afirma Celso Alvim, maestro das baterias e um dos fundadores do Monobloco.

No embalo da esperança

Nesta folia diferente das que passaram, novas canções e seleções musicais on-line também vão manifestar a esperança dos blocos por dias melhores, enquanto estimulam que os foliões permaneçam em casa. A Orquestra Voadora, por exemplo, estreia a inédita “Pernas Voadoras”, que terá oito versões de videoclipe. E o Sargento Pimenta, assim como outros grupos que arrastam multidões, ganharam playlists especiais nas plataformas digitais.

— São materiais singelos, que ajudam as pessoas a se distraírem — diz Leandro Donner, diretor musical do Sargento Pimenta, que teria um motivo especial para celebrar este ano: — Meu filho, Ravi, nasceu na sexta-feira de carnaval de 2020. Os planos eram apresentá-lo à folia agora.

A sensação, resume a pernalta Amanda Salles, do Mulheres Rodadas, é de um certo vazio. Mas em Laranjeiras, bairro que a esta altura estaria coberto de purpurina, haverá pelo menos uma lembrança física da folia, no caminho onde estaria brincando o Gigantes da Lira.

— Deixarei intervenção urbana surpresa hoje. Meu corpo estará em casa, mas meu sentimento, na rua — afirma Yeda Dantas, uma das criadoras do bloco.

Programe-se

Céu na Terra:

Hoje, a partir das 14h, é transmitido o Baile Infantil do bloco, no YouTube (Céu na Terra Núcleo de Cultura Popular) e no Facebook (Bloco Céu na Terra). Já no dia 13 de fevereiro, sexta-feira de carnaval, a partir das 19h, ocorre a live do Baile de Carnaval, pelos mesmos canais.

Live do Amigos da Onça:

Acontece na sexta-feira de carnaval, a partir das 21h, no canal do YouTube do bloco (bit.ly/LiveAdo). O evento será gratuito, com arrecadação colaborativa via PIX (amigosdaoncabanda@gmail.com) ou pelo site www.abacashi.com.

Cordão do Boitatá:

A live de 25 anos do bloco será transmitida no domingo de carnaval, 15 de fevereiro, a partir das 15h. Será um show virtual, sem público, com transmissão pelo YouTube do Teatro Riachuelo.

Orquestra Voadora:

Fará live na terça-feira de carnaval, dia 16, com detalhes ainda a serem definidos.