No DF, parte da esquerda defende 'voto útil' em Flávia Arruda contra Damares

Parte da esquerda tem pedido 'voto útil' em Flávia Arruda (PL) para evitar que Damares Alves chegue ao Congresso (Foto: Luis Macedo/Câmara dos Deputados)
Parte da esquerda tem pedido 'voto útil' em Flávia Arruda (PL) para evitar que Damares Alves chegue ao Congresso. (Foto: Luis Macedo/Câmara dos Deputados)

No Distrito Federal, as ex-ministras Flávia Arruda (PL) e Damares Alves (Republicanos) têm disputado a preferência do presidente Jair Bolsonaro (PL) para vencer a disputa por uma vaga no Senado.

O mandatário não declarou voto em nenhuma das duas, enquanto a primeira-dama, Michelle, aparece em eventos com Damares. Agora, parte da esquerda tem levantado um movimento pelo voto na candidata do PL para evitar que a ex-chefe da pasta de Mulheres chegue ao Congresso Nacional.

Pesquisa Ipec divulgada na terça-feira (27) aponta empate técnico entre as duas, com 28% das intenções de voto. Rosilene Correa, do PT, leva 12% do eleitorado, segundo a simulação.

Até mesmo a ex de Bolsonaro, Ana Cristina Valle, mãe de Jair Renan Bolsonaro, já publicou foto ao lado da ex-ministra da Segov manifestando apoio a ela para o Senado.

Antonio Tabet, do canal Porta dos Fundos, e a ex-nadadora olímpica Joanna Maranhão já pediram voto “útil” em Arruda. Isso ocorre porque, mesmo as duas tendo feito parte do governo federal, foi Damares quem encampou mais pautas contrárias a esquerda enquanto ocupava o Ministério da Mulher, Família e Direitos Humanos.

Veja as últimas pesquisas eleitorais para presidente:

Já Flávia Arruda, que pertence ao atual partido do presidente, costuma se afastar das pautas ideológicas bolsonaristas.

Nas redes sociais, o perfil dela respondeu a publicações de Pedro Ivo, candidato a senador pela federaçao Rede-PSol. O psolista disse que escolher entre as duas seria “perpetuar a destruição do nosso Cerrado”. A candidata respondeu dizendo que, se eleita, pode construir um diálogo.

Questionada pelo jornal Estadão sobre o comentário, Arruda disse desconhecer a publicação e a apagou da rede social. O mesmo foi feito sobre a outra publicação dela, em que se diz independente e livre de “ismos”.

A candidata do PL é esposa de José Roberto Arruda, ex-senador e ex-governador do DF que disputa uma vaga na Câmara Federal. Ele já foi preso e deposto do cargo executivo estadual após ser flagrado em vídeo recebendo verba não declarada.

Após a campanha em favor de Flávia, Rosilene reagiu e pediu voto útil na própria candidatura.