No Dia do Orgasmo, famosos com perfis em sites adultos faturam alto e admitem já terem fingido na hora H

O Dia do Orgasmo é mais uma daquelas datas comerciais para inglês ver. Inglês mesmo, já que em 1999, na terra da Rainha Elizabeth, donos de sex shops se uniram para vender mais e instituiu-se, assim, meio nas coxas, um dia mundial para celebrar o ápice do prazer sexual. E nunca se ganhou tanto dinheiro com o orgasmo ou a busca dele. É só ver a quantidade de gente, anônimos e famosos, que abriu um perfil safadinho nas plataformas de conteúdo adulto.

As duas maiores delas, OnlyFans e Privacy, não param de bater recordes e atrair celebridades, que recebem em dólar (muitas verdinhas!) para satisfazer sexualmente seu público. “O segredo para ter um perfil bem sucedido, por incrível que pareça, não é a quantidade de seguidores. Existem diversos outros fatores que impulsionam as vendas, o principal deles, acreditamos, é o engajamento que o criador de conteúdo possui com seus seguidores. Há criadores que faturam até R$ 100 mil por mês e que possuem menos de 10 mil seguidores”, explica Fábio Monteiro, co-fundador e CEO da Privacy: “O importante é analisar como é seu público, e entregar o que ele ‘até pagaria’ para ver. O valor cobrado é importante para garantir a recorrência das vendas. Criadores com valores até R$ 80,00, geralmente, possuem maior constância”.

Renata Frisson, a Mulher Melão entendeu muito bem esse posicionamento. Hoje, ela deixou a música para trás e se dedica exclusivamente ao perfil que tem no OnlyFans, sendo a primeira do ranking da plataforma no Brasil. “Eu entrego entretenimento, faço ensaios elaborados, não retoco as fotos e vídeos. Estou ali de verdade. E meus fãs me mimam muito”, conta ela, que tem preços diferenciados para assinaturas semanais, mensais e anuais: “E ganho dinheiro ajudando o outro gozar. Amo o que eu faço”.

Campeãs dos milhões

Antes mesmo de a plataforma OnlyFans existir no país, a brasileira Suzy Cortez já fazia milhões com conteúdo adulto nos EUA. Ela foi precursora quando ninguém imaginava o boom que seria a venda de assinaturas do tipo. Mulher Melão entrou na onda, há pouco mais de um ano e diz que já ganhou o primeiro milhão logo de cara. “Mas não é fácil. tem que se deidicar muito. Eu lá sou várias mulheres em uma. As pessoas procuram a plataforma para relaxar. Tem muito papo também, tanto que estou fazendo aulas de inglês para entregar o melhor”, conta ela, que continua liderando o ranking no Brasil.

'Ele queria beber meu xixi por milhares de dólares'

Entre os muito pedidos que Mel]ao recebe por uma assinatura de cerca de R$ 35 ao mês, estão alguns inusitados. “Teve um outro dia que queria beber meu xixi. E por alguns milhares de dólares. Mas não aceitei”, garante ela, que tem muitos casais a seguindo na plataforma: “Eles falam que ajuda na relação deles. Tanto o homem que está lá, escondidinho, ou aqueles solteiros, estão ficando mais criativos e isso ajuda na hora do orgasmo, sem dúvidas”.

Ela diz que está numa fasde bem diferente da de quem precisa fingir um orgasmo: "Nossa, eu estou numa fase em que ostento orgasmos! Nunca fingi. Acho que sou uma mulher fogosa. A mulher e o homem, quando chegam juntos ao orgasmo é o paraíso. Isso, sim, é química perfeita, mas se for separado, tambémnão tem problema, O importante é relaxar e gozar, ou melhor gozar e relaxar!".

Os brutos também se despem

O ex-BBB Wagner Santiago foi um dos primeiros a deixar a nudez guiar seus passos ao entrar para uma plataforma adulta. Se sentiu tão em casa, que levou a namorada, e agora os dois vendem vídeos e fotos de sexo entre eles para os fãs. Tiago Ramos, ex-namorado de Nadine, mãe de Neymar, também tirou a toalha e se inscreveu para ganhar seu próprio dinheirinho.

Quantias pagas aos homens que estão produzindo conteúdo erótico não têm nada de “inho”, que se diga de passagem. Dynho Alves percebeu isso rapidamente e não titubeou. O cantor encarou a empreitada de trabalhar sua nudez a seu favor. “Vi uma galera que conheço ganhando dinheiro com a Privacy e fui conhecê-los. Além de estar me divertindo, estou ganhando uma grana bacana”, justifica.

Entre seus assinantes, estão muitos homens também. “Acho que os dois, mas, mais homem pelo que vejo, meu público é variado. Hoje meu conteúdo eu crio para quem me segue e quer acompanhar”, diz ele, que não temeu o olhar torto de alguns: “Eu sinceramente não ligo para o que falam de mim, sabe, eu gosto de dançar, gosto de me divertir com meus amigos e ser feliz, e ganhar com isso fica melhor ainda”.

Ele diz que não tem uma fórmula ou um passo a passo para chegar ao orgasmo: "Eu não tenho uma fórmula. Cada pessoa é diferente, tem todo um feeling do momento para que os dois tenham um orgasmo. Sexo é sobre isso, se conhecer e conhecer o outro".

Explorando a própria sexualidade

Lumena Aleluia supreendeu muita gente ao abrir um perfil adulto. A psicóloga e ex-BBB, nos primeiros 10 dias, faturou R$ 100 mil e teve que romper com os próprios preconceitos e mudar sua jornada. Mais ainda, se tornou superdesejada de um dioa para o outro e vem experimentandpo novas propostas dentro de sua sexualidade. E admite: já fingiu na hora H.

"Eu queria conhecer uma pessoa que nunca fingiu orgasmo nessa vida, mas é importante destacar que a minha experiência de conhecer o meu corpo de maneira mais intensa se deu numa relação muito, muito individual, muito solo, no sentido de entender o que é que eu gostava, como eu não gosto, como eu quero, como eu não quero", avalia Lumena, que só potencializou mesmo suas relações sexuais e o prazer quando passou a se relacionar com mulheres: "A experiência da cama ganhou uma outra potência, estar me relacionando com outras meninas me proporcionou um entendimento muito forte do meu próprio prazer. Infelizmente, na nossa sociedade, tem uma ausência muito grande de referências, da busca do próprio prazer, a relação com os vibradores... A gente tem vários tabus em relação a isso, mas eu coloco isso na caixinha do atraso. Pois, no final, o importante é ser feliz, ter prazer e buscar suas próprias fontes de prazer e de realização pessoal".

"Todo mundo na vida deve ter fingido"

Geisy Arruda já sabe disso há anos. Tanto que há tempos mantém perfis nas plataformas, que são uma extensão de sua experiência em derrubar preconceitos. Ela encara a venda do conteúdo adulto como um negócio, mas crê também num resultado social a partir de tudo isso: “Sou uma feminista assumida há muitos anos. Ser mulher, ser livre e sexualmente ativa, falar sobre sexo com naturalidade, tudo isso é um peso para uma sociedade machista. Minha vivência, todo bullying que já sofri, ajuda as pessoas a verem o sexo como algo normal”.

Ela própria, no entanto, diz que já fingiu orgasmo na cama. "Todo mundo na vida já deve ter fingido orgasmo, até porque, a gente leva um certo tempo para descobrir o que é um orgasmo. Requer conhecimenrto e prática. Isso é a coisa mais normal e compreensível. Afinal, todo mundo merece gozar", diz.

A influenciadora e escritora (ela vai lançar o quarto livro de contos eróticos em breve), porém, não abriu um canal adulto para ajudar os fãs a terem mais orgasmos, "Eu não costumo ajudar em nada, não quero ajudar ninguém a fazer nada. Eu quero que as pessoas consumam aquilo que eu tenho para vender, porque é muito bem feito. Se isso ajudar lguém a se excitar e levar ao orgasmo, é conseuqência. Minha vida não gira em torno do orgasmo de ninguém, só do meu".

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos