No dia do orgulho LGBTQIA+, Majur lamenta que Brasil é país que mais mata trans: 'Não nos veem como humanos'

·2 minuto de leitura

Considerada um dos hinos LGBTQIA+, a música “Flutua”, parceria de Johnny Hooker com Liniker, vai ganhar uma nova versão e um novo clipe para o especial “Falas de orgulho”. Com um arranjo diferente, a canção será interpretada por Johnny, Pabllo Vittar e Majur, que já cantaram juntas em “Amarelo”, de Emicida.

Trans, Majur relembra que a realidade no Brasil ainda é muito difícil para a população LGBTQIA+. O nosso país, por exemplo, é o que mais mata transsexuais, de acordo com a ONG Transgender Europe, que mapeia 71 países. Como transmitir esperança neste cenário?

— Ser quem eu sou já transmite esperança porque os lugares que eu acesso já são inimagináveis para pessoas trans. Temos expectativa de 33 anos neste país, mas eu vivo transformando minha vida a cada dia para que eu não chegue a essa estatística — diz Majur, de 25 anos, que ressalta: — Mas quem deve criar esperança para as pessoas trans são as pessoas cis (que se identificam co o gênero que nasceram) até porque esse mundo só está assim porque eles não nos respeitam e não nos veem como humanos como somos.

Majur torce para que as pessoas que assistam ao vídeo se sintam tocadas e com esperança de um mundo melhor, como toda a equipe ficou ao gravá-lo.

— Já estive com Pabllo Vittar antes em "Amarelo", e sou apaixonada por esa música "Flutua", que foi um hino para nossa comunidade. Para mim, é um grande orgulho participar disso com essas duas pessoas incríveis que escrevem histórias e possibilitam outras pessoas a serem elas mesmos. A gravação foi incrível, impecável, eu estava linda e todo o resto também. A equipe me abraçou demais e a gente fez tudo de coração. Espero que as pessoas que assistam sejam tocadas assim como a gente esava na gravação — espera Majur, que completa: — Estar no meio de tantas histórias incríveis e inspiradoras para pessoas LGBTQIA+ dá uma sensação de criar um imaginário de um mundo melhor, onde a gente respeite as diferenças de gênero, étnicas e raciais. Eu tenho muito orgulho de ser quem eu sou e isso é uma forma de possibilitar que outras pessoas trans também se orgulhem de serem quem são.

Johnny também ressalta a importância de "Falas de orgulho", que humaniza o olhar das pessoas sobre a população LGBTQIA+ e aproveita para elogiar as parceiras na nova gravação de "Flutua".

— O Brasil é um lugar diverso e essa música fala sobre quando o amor vence, acima de qualquer preconceito e ódio que possa haver. Foi uma honra cantar com Pabllo e Majur, que, além de minhas amigas, são importantíssimas nesse processo do país se descobrir, se aceitar e se amar. Fazer esse clipe e participar desse especial, foi uma das coisas mais especiais que já aconteceram na minha carreira — declara Johnny.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos