No Egito, Lula defende a Pacheco tirar Bolsa Família do teto por quatro anos

***ARQUIVO***BRASÍLIA, DF, 09.11.2022 - O presidente eleito Lula (PT) se reúne com o presidente do Senado, Rodrigo Pacheco (DEM-MG), em Brasília. (Foto: Pedro Ladeira/Folhapress)
***ARQUIVO***BRASÍLIA, DF, 09.11.2022 - O presidente eleito Lula (PT) se reúne com o presidente do Senado, Rodrigo Pacheco (DEM-MG), em Brasília. (Foto: Pedro Ladeira/Folhapress)

BRASÍLIA, DF (FOLHAPRESS) - O presidente eleito, Luiz Inácio Lula da Silva (PT), defendeu ao presidente do Senado, Rodrigo Pacheco (PSD-MG), retirar por quatro anos o valor do Auxílio Brasil (que voltará a se chamar Bolsa Família) do teto de gastos, regra que limita o aumento das despesas à inflação.

Lula e Pacheco conversaram reservadamente por cerca de 15 minutos nesta terça-feira (15) no Egito, onde participam da COP27, a conferência do clima das Nações Unidas.

A discussão de retirar o valor do Bolsa Família do teto está sendo feita pela equipe de Lula que elabora a PEC da Transição.

Alguns integrantes da equipe de transição e congressistas defendem retirar o valor do Bolsa Família do teto para sempre, em meio a discussões sobre flexibilização do teto.

Segundo interlocutores do presidente do Senado, Pacheco teria reforçado ao presidente eleito que o teto é uma "conquista" do país e que o Congresso é favorável à manutenção da regra fiscal.

No entanto, conforme ressaltou o senador mineiro, os parlamentares aprovariam a retirada do valor do Bolsa Família do teto por quatro anos por se tratar de uma promessa tanto da campanha de Lula quanto da do presidente Jair Bolsonaro (PL), derrotado nas eleições.

Pacheco também teria ressaltado ao petista que os parlamentares têm a sensibilidade de que é preciso aprovar a PEC porque os mais vulneráveis precisam do Auxílio, em um contexto de dificuldade da economia.