No governo, só ministro da Saúde lamenta 500 mil mortes por Covid

·2 minuto de leitura
SAO PAULO, BRAZIL - JUNE 19: A drone photo shows Vila Formosa cemetery after bodies of Covid-19 victims are buried by officials in Sao Paulo, Brazil, on June 19, 2021. Brazil already has almost 500,000 COVID-19 deaths and shows no signs of a slowdown in the contagion. (Photo by Marcello Zambrana/Anadolu Agency via Getty Images)
SAO PAULO, BRAZIL - JUNE 19: A drone photo shows Vila Formosa cemetery after bodies of Covid-19 victims are buried by officials in Sao Paulo, Brazil, on June 19, 2021. Brazil already has almost 500,000 COVID-19 deaths and shows no signs of a slowdown in the contagion. (Photo by Marcello Zambrana/Anadolu Agency via Getty Images)
  • Marcelo Queiroga foi o único ministro do governo Bolsonaro a lamentar as 500 mil mortes por Covid-19

  • O ministro das Comunicações, Fábio Faria, preferiu criticar quem critica as mortes

  • Já o presidente Jair Bolsonaro optou por se manifestar sobre a caçada policial ao "serial killer do DF"

Do governo Bolsonaro, Marcelo Queiroga foi o único ministro a se manifestar pelas mais de 500 mil mortes pelo novo coronavírus no Brasil registradas no último sábado (19).

O ministro da Saúde divulgou, via redes sociais, uma nota na qual lamentou a morte de meio milhão de brasileiros por conta da Covid. O país registrou 2.247 novos óbitos pela doença nas últimas 24 horas, totalizando nesse sábado 500.868 mortes desde o início da pandemia.

"500 mil vidas perdidas pela pandemia que afeta o nosso Brasil e todo o mundo. Trabalho incansavelmente para vacinar todos os brasileiros no menor tempo possível e mudar esse cenário que nos assola há mais de um ano. Presto minha solidariedade a cada pai, mãe, amigos e parentes, que perderam seus entes queridos", escreveu.

Este conteúdo não está disponível devido às suas preferências de privacidade.
Para vê-los, atualize suas configurações aqui.

Na contramão de Queiroga, o ministro das Comunicações de Bolsonaro, Fábio Faria, debochou da onda de protestos e manifestações de solidariedade nas redes sociais, pouco antes de a palavra "meio milhão" subir aos trending topics do Twitter.

"Em breve vcs [sic] verão políticos, artistas e jornalistas 'lamentando' o número de 500 mil mortos. Nunca os verão comemorar os 86 milhões de doses aplicadas ou os 18 milhões de curados, porque o tom é sempre o do ‘quanto pior, melhor'. Infelizmente, eles torcem pelo vírus", escreveu o ministro.

Este conteúdo não está disponível devido às suas preferências de privacidade.
Para vê-los, atualize suas configurações aqui.

Já o presidente Jair Bolsonaro ignorou os 500 mil mortos e preferiu gravar um vídeo com mensagem de apoio aos policiais que estão em busca do serial killer Lázaro Barbosa.

Este conteúdo não está disponível devido às suas preferências de privacidade.
Para vê-los, atualize suas configurações aqui.
Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos