No luto da perda, Recife junta os cacos para ajudar o próximo

Recife vive estado de calamidade (Clauber Cleber Caetano/Brazil's Presidential Press Office via AP)
Recife vive estado de calamidade (Clauber Cleber Caetano/Brazil's Presidential Press Office via AP)

Enquanto tentam superar o próprio luto e se preocupam com o futuro, moradores do Recife se engajam em campanhas para apoiar amigos e desconhecidos que vivem a mesma tragédia. Segundo o Governo do Estado de Pernambuco, 106 pessoas morreram nas fortes chuvas, 10 ainda sob escombros e mais de 6 mil estão desabrigadas. Para prestar socorro, escolas, instituições sociais e comércios se transformaram em abrigo e pontos de arrecadação tentando dar conta da demanda não suprida pelo poder público. Iniciativas contam com o apoio nacional para se sustentarem.

Quem ajuda também precisa de socorro. No Ibura, zona sul do Recife, o voluntário e professor de inglês da igreja do seu bairro, Gabriel Nascimento, se preocupa com sua casa, alagada no último sábado (28). “Nós tínhamos finalizado a construção da casa e ido morar lá no final de janeiro deste ano. Só passamos 4 meses”, lamentou.

Eram 5 horas da manhã quando a água estava chegando no batente da sua casa, um metro mais alto do que o nível da rua. Duas horas depois, Gabriel, sua esposa e seus dois cachorros precisaram subir na laje para não se afogarem. Ligou para os Corpo de Bombeiros e Secretaria de Defesa Social, mas sem sucesso. Foi salvo por uma jangada de isopor, madeira e corda improvisada por amigos.

Enquanto participava de uma ação para doar alimentos, a vice-coordenadora do Projeto Social Resplandecer, Glause Carneiro, recebeu a notícia do afogamento de sua única irmã, que se recusou a deixar sua casa no dia anterior, na Muribeca, bairro do município de Jaboatão dos Guararapes, região metropolitana do Recife e um dos pontos mais críticos da região. No seu quarto, dormindo, ela foi levada pela chuva junto com tudo que tinha e não entrou nas estatísticas do número de mortos. Foi sepultada sem velório.

No dia 20 de maio, o prefeito do Recife, João Campos, orientou a população residente em “áreas de risco, como morros e encostas a ficar atenta às chuvas e procurar locais seguros para se abrigar, em caso de chuva forte” seguindo as diretrizes da Defesa Civil.

Mas entre abandonar tudo e se arriscar na chuva, poucos foram os moradores que escolheram a primeira opção antes de serem forçados por uma fatalidade. “É difícil sair de casa e deixar tudo pra trás, porém foi necessário, né? Bens materiais conseguimos novamente com esforço”, comentou a estudante Ingrid Rayra (17 anos), que saiu de casa no último fim de semana depois receber a notícia sobre a morte de sua prima e filha de dois anos, vítimas do deslizamento de barreira no bairro Jardim Monte Verde.

A maior tragédia do Estado até o momento, o deslizamento na pequena divisa entre Recife e Jaboatão dos Guararapes vitimou mais de 20 pessoas. Em um vídeo que circula nos grupos de WhatsApp, é possível ver o momento exato em que a barreira cai.

Uma das crianças vítimas era amiga de Maria Alice Silva (16 anos). Mesmo andando com ajuda de muletas, ela fez questão de organizar uma ação solidária onde estuda, na Escola de Referencia em Ensino Médio Jordão Emerenciano.

Com ajuda dos professores e funcionários, Alice e seus colegas reuniram alimentos e prepararam quentinhas para levar aos desabrigados. “Meu amigo morreu. A barreira caiu em cima dele. Fiquei bastante triste, é uma situação muito triste, mas a gente tem que ser forte para ajudar as outras pessoas. Vamos fazer o mutirão durante toda a semana, todos os alunos estão se mobilizando”, contou.

Além do Ibura, outros bairros da cidade do Recife e municípios da região metropolitana estão se mobilizando para atender as famílias vitimadas com comida, roupa e abrigo. As iniciativas aceitam doações por PIX e transferência, que podem ser realizadas por pessoas de todo país.

Pelo aplicativo Central Solidária, criado por um desenvolvedor anônimo, é possível encontrar abrigos comunitários e emergenciais abertos, além de telefones de órgãos oficiais do Governo.

Veja abaixo a lista dos lugares que estão recebendo doações:

Zona Sul

Ibura + Cultura - Associação Asa Branca (Rua Vale do Itajaí - 6) e Associação UR-10 (Rua Alto Erval Novo, SN). Água, material de higiene pessoal, fraldas, material de limpeza, comida. PIX nos e-mails: lidialins04@gmail.com ou seabraprod@gmail.com

Escola Antônio Vieira de Melo e Associação Comunitária Esperança - Av. Presidente Eurico Gaspar Dutra - Zumbi do Pacheco, Jaboatão dos Guararapes - PE, 54270-060. Abriga vítimas da chuva e recebe doações gerais.

Iburoteca Maria de Lima - Rua Engenho Riacho Doce Ur UR3 34 - Abriga vítimas da chuva da Cohab, Ibura e bairros circunvizinhos e recebe doações de alimentos - Contato pelo WhatsApp: (81) 99196 8449. Falar com Fátima Melo.

Escola Antônio Vieira de Melo - Av. Presidente Dutra, s/n, no bairro do Zumbi do Pacheco. Recebe doações e oferece abrigo.

Escola Jordão Emerenciano - Recebe doações de alimentos. Av. Angra dos Reis, s/n - Ibura, Recife - PE, 51340-590.

Projeto Resplandecer - Rua Rio Brígida, 258 - Recebe cobertores, agasalhos, alimentos não perecíveis e materiais de higiene pessoal. PIX no CNPJ: 39600746000171.

Transforma Brasil - Av. Mal. Mascarenha de Morais, 2967 – Imbiribeira (Seg à Sáb: 8h – 20h • Dom: 9h – 19h) - Recebe alimentos, água, itens de higiene pessoal, fraldas e cobertores. PIX no e-mail: fundo@transformabrasil.com.br.

Centro

Softex Recife - Rua da Guia, 142, Recife Antigo. Aceita doações gerais. PIX no CNPJ: 04203075000120

Unificados pop rua - Rua do Sol, 107, Santo Antônio. Abrigo temporário. Recebe colchões, lençóis e travesseiros, materiais para kit de higiene, descartáveis e alimentos. Precisa de grupos para preparar os alimentos e levá-los ao Liceu e voluntários para revezar nos turnos. Recebe no PIX: 44.908.842/0001-11.

Altar cozinha ancestral - Rua Frei Cassimiro, 449, Santo Amaro. Recebe alimentos, colchões, cobertores, material de limpeza e roupas. PIX no e-mail: donacarmenvirginia@gmail.com.

Mãos solidárias - Avenida Martins de Barros, 387. Recebe água, comida, barracas e lonas, colchões. PIX: 09.423.270.0001.80

Zona Norte

Riomar Recife e JCPM - Av. República do Líbano, 251 - Pina, Recife - PE, 51110-160 - Piso Térreo, próximo ao Diagmax. Recebe alimentos não perecíveis, colchões/lençóis, roupas, kit de higiene e água.

Coletivo Jenipapo em Foco - Igreja Batista do Córrego do Jenipapo. (Rua da Democracia, 60). Recebe alimentos, água mineral, roupas, travesseiros, colchões/colchonetes, lençóis, toalhas de banho, produtos de higiene pessoal e materiais de limpeza. PIX no: (81) 99987-3739 - Banco Neon (Lucas Leandro da Silva).

Associação Florescer da Casa Rosa - Rua Mário Libânio, 175, Mustardinha. Recebe doações gerais. PIX no número: (81) 99515 3261. Contato pelo WhatsApp: (81) 98749 0479.

Zona Oeste

Centro Dom Helder Câmara - Rua Galvão Raposo, 295, Madalena, Recife, Pernambuco, Brasil - CEP.: 50610-330. PIX no CNPJ: 24.417.305/0001-61, Banco 237 - Bradesco S.A. Agência: 1230-0. Conta corrente:39630-3.

Igreja Católica Nossa Senhora de Lourdes - Rua Paes de Andrade, 351. Recebe alimentos não perecíveis, materiais de limpeza, cobertores, roupas, materiais de higiene pessoal, água mineral e colchões. PIX no CPF: 70415868475 - Anderson Luis dos Santos. Contato: (81) 998510985 e (81) 98199 3283.

Igreja Batista em Coqueiral - Rua Alcântara,176, Coqueiral. Recebe lençóis, toalhas, calçados, alimentos, produtos de limpeza e colchões. PIX no: 10669760000140.

UFPE - Av. Prof. Moraes Rego, 1235. Recebe PIX no e-mail: ufpesolidaria@fade.org.br

RMR

Instituto Pró-Anima - Rua Mário de Alencar, 211, Vera Cruz - Camaragibe - Recebe ração, manta ou lençol para animais. PIX no CPF: 04484775484 - Rosineide Cavalcanti.

Fruto de Favela - Maranguape 1, Paulista - Recebe móveis, eletrodomésticos, colchões, leite, fraldas descartáveis, lençóis e entre outros. PIX no e-mail: frutodefavela@gmail.com, Bruno Moreira.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos