No Maranhão, Fernando Haddad diz que filho de Bolsonaro ameaçou STF

SÃO LUÍS, MA (FOLHAPRESS) - O candidato a presidente Fernando Haddad (PT) afirmou este domingo que o deputado federal Eduardo Bolsonaro (PSL), filho do presidenciável Jair Bolsonaro (PSL), ameaçou fechar o STF (Supremo Tribunal Federal) com uma intervenção militar.

Ele faz referência a um vídeo no qual o deputado diz que o STF poderia ser fechado por militares caso impugnasse a candidatura de Jair Bolsonaro. O vídeo foi gravado em uma palestra para concurseiros no dia 9 de julho em Cascavel (PR).

"O STF vai ter que pagar pra ver. E se pagar para ver, vai ser ele contra nós [...] Será que eles vão ter essa força mesmo? O pessoal até brinca lá: se quiser fechar o STF, sabe o que você faz? Não precisa nem de um jipe, você manda um soldado e um cabo, sem querer desmerecer o solado e o cabo", disse Eduardo Bolsonaro no vídeo.

Para Fernando Haddad, o discurso do deputado é uma ameaça ao STF: "Há muito medo de violência por parte de Bolsonaro. Um filho dele chegou a gravar, de um pensamento, se é que se pode chamar de pensamento o que eles falam, é uma coisa tão impressionante que não sei se pensam para falar. Disse que iam prender, fechar o Supremo Tribunal Federal caso batessem de frente com o executivo".

Em discurso durante uma caminhada nas ruas do centro de São Luís, o petista ainda afirmou Bolsonaro e seu filhos atuam como uma milícia. 

"O Bolsonaro é um chefe de milícia e os filhos dele são milicianos, são capangas. Não se controla esse tipo de violência. O medo de quem tem juízo só cresce, só quem está anestesiado não tem medo". 

No discurso, Haddad ainda prometeu dar um reajuste de 20% no Bolsa Família já em janeiro do próximo ano, caso seja eleito, e afirmou que irá reduzir o preço do gás, que teria um teto de R$ 49 no varejo. O petista, no entanto, não especificou como irá colocar a proposta em prática.