No Pará, mortes por coronavírus quadruplicam em uma semana

JOÃO PEDRO PITOMBO

SALVADOR, BA (FOLHAPRESS) - Enfrentando uma escalada dos casos de Covid-19 nos últimos dias, o Pará chegou a 224 mortes pela doença, sendo 68 registradas somente nesta quinta-feira (30).

O número total de óbitos é o quádruplo do registrado há uma semana, quando havia 53 mortes confirmadas.

O rápido espalhamento da doença -com um total de 2.999 casos confirmados no estado- resultou em um cenário de filas nas unidades de pronto atendimento e hospitais operando no limite.

A região metropolitana de Belém é epicentro da doença. Somente a capital registrou 1.658 casos da doença e 139 mortes. A cidade vizinha de Ananindeua vem em seguida, com 306 casos e 11 mortes.

O governo do Pará corre contra o tempo para reforçar a rede de atendimento para os pacientes com Covid-19.

Nesta quinta, a ocupação dos 194 leitos de UTI (Unidade de Terapia Intensiva destina) era de 91%.

A alta ocupação -mesmo patamar registrado na semana passada- persiste mesmo com a expansão dos leitos clínicos e de terapia intensiva da rede estadual nos últimos dias.

O número de hospitais destinados ao tratamento de pacientes graves da doença chegou a 11, com a inclusão do hospital estadual Galileu, em Belém, transformado em unidade de referência.

Atendendo apenas a pacientes transferidos pelo sistema de regulação, a unidade de saúde possui 96 leitos clínicos e 8 leitos de terapia intensiva.

O governo estadual aguarda a chegada de 80 novos respiradores prometidos pelo Ministério da Saúde para ampliar a oferta de leitos de UTI.

Também foram pedidos ao ministério da Saúde 60 mil testes, além kits para o exame tipo RT-PCR, considerados mais precisos para identificação da doença.

"Espero que haja regularidade no fornecimento. Testar pessoas nos ajuda a dimensionar o tamanho da crise, da emergência na saúde e a quantidade de pacientes" afirmou o secretário de Saúde do Pará, Alberto Beltrame.

Desde a última semana, Belém enfrenta um cenário de corrida de pacientes com suspeita da doença às unidades de pronto atendimento, geridas pela prefeitura e tidas como porta de entrada para as pessoas com sintomas da Covid-19.

A Policlínica Metropolitana também está atuando na triagem dos pacientes. Em menos de uma semana de funcionamento exclusivo para casos de síndrome respiratória aguda, a unidade atendeu quase 7.000 pessoas.

Para conter o avanço do novo coronavírus no estado, o governador do Pará, Helder Barbalho, emitiu um decreto proibindo a realização de viagens intermunicipais durante o feriado de Primeiro de Maio.

Cerca de 200 agentes do Detran (Departamento de Trânsito do Estado) vão atuar na fiscalização da medida, com bloqueios nas principais rodovias do estado.

Haverá barreiras nos acessos a Belém e a outros 20 municípios do estado, com destaque para áreas turísticas como praias e balneários.

A medida não atingirá motoristas que estiveram retornando à cidade onde moram ou estiverem em atividade profissional. Eles deverão comprovar a motivação da viagem com documentos.

Os motoristas que descumprir a regra serão orientados a retornar para as cidades de origem. Em caso de desobediência, o veículo poderá ser apreendido.