No primeiro dia de volta às aulas no Chile, duas escolas têm casos de covid e suspendem atividades

Anita Efraim
·2 minuto de leitura
SANTIAGO, CHILE - FEBRUARY 16: Teachers wait to be vaccinated against COVID-19 , at Abdon Cifuentes school for on February 16, 2021 in Santiago, Chile. The vaccination started with teachers and education assistants over the age of 60, in the following days, more than half a million in Chile's education system will be vaccinated. The country has vaccinated almost 2 million people in total according to the Health Ministry and has the highest proportion than any other country in the region. (Photo by Claudio Santana/Getty Images)
Professores aguardando para ser vacinados em Santiago, no Chile. Até dia 5 de março, profissionais da educação com mais de 23 anos terão recebido a primeira dose do imunizante (Foto: Claudio Santana/Getty Images)

Em 1º de março, diversas escolas no Chile receberam autorização para retomar as aulas presenciais. Neste primeiro dia, dois colégios em Santiago tiveram de decretar quarentena preventiva após serem detectados casos de covid-19 em funcionários.

Uma das escolas onde houve casos de coronavírus, o Colegio Alto del Maipo, informou que o funcionário infectado não esteve no local desde 24 de fevereiro e, por isso, não teve contato com os alunos. Mesmo assim, a escola optou por suspender as atividades até 15 de março.

No outro colégio, o Instituto de Humanidade Luis Campino, as aulas também serão retomadas a partir de 16 de março, na modalidade hibrida.

Leia também

Para o presidente do Colégio de Professores, Carlos Díaz, os casos eram “a crônica de uma morte anunciada”. “Nos preocupamos muito e acreditamos que o governo deveria se preocupar mais com a proteção das crianças e jovens”, declarou Díaz em entrevista ao canal 24 horas.

Já o ministro da Educação do Chile, Raúl Figueroa, considerou o saldo “muito positivo”. “O que aconteceu nesses dois colégios é, precisamente, a aplicação dos protocolos. O que seria negativo seria se tivesse um caso e não fosse detectado, se não tivessem tomados as medidas necessárias”, declarou em entrevista à rádio T13. “O que estamos vendo aqui é como se faz um controle restrito.”

Figeroa alega que as pessoas não precisam encarar os casos como uma má notícia. “O que acontece é que os protocolos estão sendo aplicados e, por isso, o mecanismo adotado funciona”, declarou.

O Chile incluiu trabalhadores da educação entre as prioridades do calendário de vacinação. Até o fim da semana, o país pretende vacinar todos aqueles que trabalham em escolas e tem mais de 23 anos.

CASOS NO BRASIL

No Brasil, escolas têm enfrentado o mesmo desafio: com o retorno das aulas presenciais, 12 escolas municipais em São Paulo tiveram de suspender as aulas após casos de covid-19 serem confirmados.

Em Campinas, interior paulista, a jovem Ana Clara Macedo dos Santos, de 13 anos, morreu após ser infectada pelo novo coronavírus. Ela se contaminou após o resto às aulas presenciais.

Outros estados do país questionam o retorno às salas de aula, especialmente pelo colapso nos sistemas de saúde.