No Twitter, coronavírus só ganhou força após contaminação de autoridades

Reportagem Núcleo sobre Twitter


Análise do Núcleo com 1,03 milhão de tuítes mostra que antes do dia 12 de março o assunto estava ausente dos trending topics nacionais, ganhando predominância após testes no presidente Jair Bolsonaro e do diagnóstico de Fabio Wajngarten.

Por Sérgio Spagnuolo e Alexandre Orrico

A pandemia do novo coronavírus no Brasil começou a ganhar predominância nas redes sociais a partir de notícias sobre a contaminação de autoridades brasileiras, no fim da semana passada, quando representantes do governo federal começaram a ser testados e diagnosticados com COVID-19.

Esse pode ser um indicativo de como as autoridades brasileiras estavam lidando com o caso, sem reconhecer publicamente sua devida gravidade, o que foi refletido na discussão nas redes sociais, que demorou para conhecer a dimensão do problema no país, mesmo com o agravamento da situação em todo mundo, especialmente na China e na Itália.

Até quinta-feira, 12 de março, quando o secretário de comunicação do governo, Fabio Wajngarten, testou positivo para o vírus, o assunto não havia chegado aos trending topics da rede social, de acordo com dados levantados pelo Núcleo no site Trendogate, que cataloga os 50 assuntos mais populares todos os dias, inclusive no Brasil (embora sem mostrar o número total de tuítes).

Gráfico Twitter - Núcleo


O Núcleo também analisou 1,03 milhões de tuítes de 9 a 19 de março e constatou que o assunto ganhou notoriedade essa semana, chegando a mais de 150 mil tuítes únicos por dia com os termos “coronavírus” e “COVID-19” em português no Brasil, desconsiderando retuítes e respostas.

Embora o Twitter não divulgue dados específicos por país, é possível dizer que 150 mil tuítes é um número significativo. O Brasil é o 5º maior mercado do Twitter no mundo, com 12,15 milhões de usuários.

Apenas como comparativo, as hashtags “#ProvaLider” e “#provaderesistencia” relacionadas ao reality show Big Brother Brasil, um dos assuntos que vinham movimentando o Twitter brasileiro antes da crise, haviam gerado, conjuntamente, cerca de 125 mil tuítes até 14h10 desta sexta-feira, 20 de março. Já o tópico “Dia 5”, relacionado ao isolamento social forçado pelo COVID-19, possuía 154 mil tuítes no mesmo horário.

Gráfico sobre interações no Twitter / Núcleo Jornalismo


No Google, o assunto também começou a disparar a partir de 8 de março. O termo “pandemia”, por exemplo, cresceu 1.150% em 10 dias.

Buscas no Google / Núcleo Jornalismo


METODOLOGIA

O Núcleo capturou 1.034.973 tuítes das 20h50 do dia 9 de março até 3h19 do dia 19, utilizando a API gratuita do Twitter. Os códigos podem ser encontrados aqui.

Com a finalidade de manter a privacidade de usuários com perfis pouco notórios, o Núcleo não vai divulgar os dados brutos – cada pessoa pode rodar o código de extração para obter esses resultados.

Os dados sobre trending topics foram obtidos manualmente via Trendogate, que cataloga os 50 assuntos mais populares por dia na rede social, por país.

O Núcleo entrou em contato com o Twitter via email em busca de estatísticas agregadas pela própria plataforma, mas não obteve retorno.


Essa reportagem é uma parceria entre o Núcleo Jornalismo e o Yahoo Brasil.