Nobel da Paz 2018 vai para ativistas contra violência sexual como arma de guerra

Equipe HuffPost
Cerimônia de entrega do Nobel da Paz 218 será realizada no dia 10 de dezembro, em Oslo.

Nadia Murad, de 25 anos, e o congolês Denis Mukwege, de 63, são os ganhadores do Prêmio Nobel da Paz 2018 devido a "seus esforços para acabar com o uso da violência sexual como arma de guerra e conflito". O anúncio foi feito nesta sexta-feira (5), em Oslo, na Noruega.

Pertencente à minoria religiosa yazidi, Nadia, tornou-se ativista dos direitos humanos após ser sequestrada e violentada por três meses por integrantes do grupo extremista autodenominado Estado Islâmico (EI) no Iraque.

Descrita como uma pessoa que demonstra uma "coragem incomum", ela fugiu dos terroristas em 2014 e liderou uma campanha para impedir o tráfico de pessoas e libertar os yazidis da perseguição.

O grupo étnico-religioso é composto por cerca de 400 mil pessoas e possui crenças que combinam elementos de várias religiões antigas do Oriente Médio. Ela é considerada "infiel" pelos extremistas do EI, que empregam a violência sexual como estratégia militar sobre o grupo.

Estima-se que 3 mil meninas e mulheres yazidis foram vítimas de estupro e outros abusos.

Em 2016, a ativista foi nomeada embaixadora da Boa Vontade da ONU para a Dignidade dos Sobreviventes do Tráfico Humano.

"Nadia Murad, premiada com o Prêmio Nobel da Paz de 2018, é a testemunha que conta sobre os abusos perpetrados contra ela e os outros. Ela mostrou coragem incomum em relatar seus próprios sofrimentos e falar em nome de outras vítimas", diz o texto publicado pela organização do Nobel no Twitter.



Conhecido como "doutor milagre", o médico ginecologista Denis Mukwege passou grande parte de sua vida ajudando vítimas de violência sexual na República...

Continue a ler no HuffPost