Nobel da Paz Denis Mukwege pede tribunal internacional para RDC

  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
·2 minuto de leitura
Denis Mukwege, em 3 de outubro de 2019, em Tóquio (AFP/Behrouz MEHRI)
Neste artigo:
  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.

O médico congolês Denis Mukwege, Prêmio Nobel da Paz de 2018, reivindicou nesta sexta-feira (10) a criação de um tribunal penal internacional para a República Democrática do Congo, país mergulhado na violência há mais de 25 anos.

"Apesar do estado de sítio instaurado nos Kivus e em Ituri" desde o início de maio, "a situação em termos de segurança não parece melhorar nessas províncias", afirmou Denis Mukwege em um comunicado, referindo-se "com horror aos recentes massacres".

Estes ataques deixaram dezenas de mortos nos territórios de Beni e Irumu.

As populações "vivem com medo e terror", apesar de a ONU ter mobilizado suas forças na região, a Monusco, para apoiar o Exército congolês.

Segundo ele, "esta situação trágica e escandalosa não pode continuar".

"Diante do fracasso das soluções políticas e de segurança, estamos convencidos de que o caminho para a paz duradoura exigirá o recurso a todos os mecanismos de justiça de transição", convocou.

Nesse sentido, afirmou que o presidente congolês, Felix Tshisekedi, deve "solicitar, de forma expressa, às Nações Unidas que estabeleça um tribunal penal internacional para a República Democrática do Congo e apoie a criação de câmaras especializadas mistas para fazer justiça às vítimas de os crimes mais graves".

"Os líderes de todo mundo tomarão a palavra em breve" na Assembleia Geral da ONU, lembrou Mukwege, estimulando Tshisekedi a "pedir a ajuda das Nações Unidas e a adoção de uma resolução do Conselho de Segurança para implementar, sem demora, uma equipe de investigadores".

Segundo Mukwege, um médico que atua em Kivu do Sul, esses investigadores terão de "exumar as numerosas valas comuns no leste do país e coletar e preservar as provas de atos suscetíveis de constituir crimes de guerra, crimes contra a humanidade e crimes de genocídio".

É preciso "pôr fim à cultura de impunidade que alimenta os conflitos no nosso país desde os anos 1990", concluiu.

ro-at/jhd/jvb/es/tt

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos