Nobel de Economia defende imposto de 25% a multinacionais

·1 minuto de leitura

CERNOBBIO, ITÁLIA - O prêmio Nobel de Economia Joseph Stiglitz se posicion a favor de um imposto mínimo de 25% para as multinacionais e qualificou como "iniciativa fantástica" o acordo adotado pelos países do G20 que prevê uma taxa de ao menos 15%, em entrevista à AFP.

- Acho que teria que ser 25%, mas política é a arte das concessões, espero que cheguem a pelo menos 20% - disse ele no Fórum Ambrosetti, organizado pela consultoria The European House, em Cernobbio, norte da Itália.

O economista disse considerar 15% muito baixo para acabar com a “corrida ao mínimo” do nível fiscal.

Os ministros de Finança do G20 aprovaram, em julho, em Veneza, uma acordo para impor imposto às multinacionais, que devem entrar em vigor em 2023, com objetico de por fim aos paraísos fiscais.

O acordo prevê o estabelecimetno de um imposto global de "ao menos 15%" sobre os lucros das multinacionais e reperter de forma mais justa os direitos de tributar essas empresas, sobre tudo as gigantes digitais, especialistas em otimização tributária.

- O sistema tributário das multinacionais tem mais de cem anos e não está mais adaptado à economia mundial do século 21, é um sistema aberto a abusos. A alíquota efetiva é muito menor que a oficial - disse Stiglitz. .

Na avaliação do Nobel de Economia, a política de países como Luxemburgo e Irlanda, de nivelar por baixo a tribuitação a essas empresas, " minou a solidariedade global e o sistema econômico global".

Ex-chefe do Banco Mundial, Stiglitz disse que o G20 firmou um compromisso muito importante ao se comprotera acabar com esta "corrida para o fundo”.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos