Nome frequente na CPI, Didier Raoult é acusado de "charlatanismo" por Conselho de Medicina Francês

  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
·2 min de leitura
Neste artigo:
  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
O médico Didier Raoult (Foto: REUTERS/Gonzalo Fuentes)
O médico Didier Raoult (Foto: REUTERS/Gonzalo Fuentes)
  • Didier Raoult foi ouvido pela Câmara Disciplinar da Ordem dos Médicos de New Aquitaine, em Bordeaux

  • O nome dele foi citado durante a CPI da Pandemia por parlamentares que defendiam o tratamento ineficaz contra a covid-19

  • “São os médicos que reclamam de nós, não os pacientes”, disse Raoult

O médico francês Didier Raoult foi ouvido pela Câmara Disciplinar da Ordem dos Médicos de New Aquitaine, em Bordeaux, no processo que envolve o fato de ele ter defendido o uso da cloroquina para o tratamento da covid-19. A informação é do jornal Le Monde.

Didier foi acusado pelo relator da Câmara Disciplinar da Ordem de ter promovido a hidroxicloroquina para tratar Covid-19, "sem dados científicos comprovados", o que é semelhante a "charlatanismo"

O nome dele foi citado por diversas vezes durante a CPI da Pandemia do Senado por parlamentares que defendiam o tratamento comprovadamente ineficaz contra o coronavírus como forma de dar respaldo às declarações na comissão. 

Didier Raoult é alvo de duas reclamações que alegam que ele violou o Código de Ética Médica ao defender a cloroquina.

“São os médicos que reclamam de nós, não os pacientes”, disse Raoult, em sua defesa.

Entenda quais são as acusações feitas contra Didier Raoult

O médico é acusado de ter promovido a cloroquina sem dados científicos que comprovassem a eficácia do medicamento para o tratamento da covid-19, o que é similar ao "charlatanismo", de acordo com o Le Monde. A Câmara Disciplinar apontou os "riscos imprudentes" em relação às atitudes de Raoult.

O advogado do órgão que analisa as reclamações contra o médico argumentou que Raoult não teve "cautela" ao defender o uso da cloroquina. Já a defesa do médico alega que ele está sendo julgado como um criminoso e que isso se deve ao fato de ele criticar a gestão da crise de saúde pelas autoridades.

A Câmara Disciplinar poderá determinar várias sanções contra Raoult como advertências, mas já foi decidido que ele precisa deixar a chefia da instituição IHU Méditerranée Infection, que ele administra desde 2011.

Nome ficou famoso durante a CPI da Pandemia

 

Durante as reuniões da CPI, por diversas vezes, os senadores tiveram que se manifestar contra o uso da cloroquina como o presidente da comissão, senador Omar Aziz (PSD-AM).

Aziz destacou, por exemplo, que "não existe solução mágica". "Está comprovado que, em plena pandemia, não há nenhuma solução mágica para imunizar a não ser a vacina. A vacina está ainda como a grande salvação da população mundial e principalmente da população brasileira para imunização".

O assunto também ganhou destaque nas apurações sobre o colapso da saúde em Manaus (AM).

A CPI da Pandemia recebeu, por exemplo, vídeos que mostram médicos que integravam a força-tarefa do Ministério da Saúde dando orientações sobre o uso de medicamentos sem eficácia comprovada contra a Covid-19 no Amazonas. As informações foram divulgadas à época pela Globonews.

As gravações revelaram, por exemplo, uma médica repassando informações falsas para profissionais de saúde de Manaus para justificar a utilização de remédios como a cloroquina e a azitromicina. O vídeo foi gravado em 13 de janeiro, um dia antes de a cidade entrar em colapso.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos