Dois mortos em desabamento de prédio na China

Equipes de resgate procuram sobreviventes após desabamento de prédio na cidade chinesa de Changsha (AFP/-) (-)

Ao menos duas pessoas morreram no desabamento de um edifício no centro da China, informou nesta terça-feira a agência estatal de notícias Xinhua, após quatro dias de operações de resgate em busca de dezenas de pessoas ainda desaparecidas.

"Nove pessoas foram resgatadas e duas morreram", afirmou a Xinhua, sem explicar se as vítimas fatais estão entre as pessoas que as equipes de emergência retiraram dos escombros.

O edifício comercial de Changsha, na província de Hunan, que abrigava apartamentos, um hotel e um cinema, desabou no dia 29 de abril e provocou uma grande operação de resgate.

Na manhã de terça-feira, uma mulher foi retirada com vida dos escombros, algo que a imprensa estatal chamOui de "milagre".

O canal estatal CCTV exibiu imagens de uma pessoa enrolada em um cobertor em uma maca, a nona pessoa retirada dos escombros em quatro dias.

"Esperando mais milagres", escreveu a CCTV em suas redes sociais.

O Diário do Povo, jornal do Partido Comunista, informou que a mulher estava consciente e conseguiu conversar com os socorristas por um buraco antes de ser resgatada. "Os sinais vitais eram estáveis", afirmou a publicação.

As operações prosseguiam nesta terça-feira na área da tragédia. As autoridades anunciaram que pelo menos 14 pessoas estão presas nos escombros e não conseguiram estabelecer contato com outras 39.

Nove pessoas, incluindo o dono do edifício e inspetores de segurança, foram detidas no âmbito da investigação do acidente.

As autoridades afirmaram que os inspetores falsificaram um relatórios de segurança do prédio.

O presidente chinês, Xi Jinping, ordenou uma investigação profunda do desabamento, segundo a imprensa estatal.

tjx/qan/mas/cjc/fp

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos