Nordeste da Ucrânia celebra retorno de moradores após derrota russa

Militares da Ucrânia na região de Kharkiv

Por Tom Balmforth

ZOLOCHIV, Ucrânia (Reuters) - Forças ucranianas invadiram mais profundamente o território tomado de tropas russas em fuga nesta segunda-feira, enquanto moradores alegres retornavam às antigas vilas na linha de frente e Moscou enfrentava as consequências do colapso de sua força de ocupação no nordeste da Ucrânia.

O Estado-Maior da Ucrânia disse na segunda-feira que seus soldados recapturaram mais de 20 cidades e vilarejos apenas no dia anterior, depois que a Rússia reconheceu que estava abandonando Izium, seu principal reduto no nordeste da Ucrânia.

“As pessoas estão chorando, as pessoas estão alegres, é claro. Como eles poderiam não estar alegres!”, disse a professora de inglês aposentada Zoya, de 76 anos, ao norte de Kharkiv, no vilarejo de Zolochiv, a 18 km da fronteira russa, chorando ao descrever os meses que passou abrigada no porão.

Nastya, de 28 anos, havia fugido do vilarejo em abril, mas retornou na semana passada após notícias de avanços ucranianos: “Acho que todos estão de bom humor! Está tudo acabado agora. Pelo menos esperamos que tudo acabe”, disse ela, na fila para comprar mantimentos com duas crianças pequenas.

Mais ao norte, as tropas ucranianas se mudaram para Udi, um vilarejo no que era uma terra de ninguém mais perto da fronteira. Soldados que voltaram de lá disseram que ainda era inseguro, cheio de minas terrestres, granadas e armas deixadas para trás pelas tropas russas em fuga, com animais abandonados vagando.

No que restava do território controlado pelos russos na região de Kharkiv, Vitaly Ganchev, o chefe da administração de ocupação de Moscou empossado pela Rússia, reconheceu que as tropas da Ucrânia invadiram a fronteira.

Ganchev, que ordenou a retirada completa de civis de partes da província controladas pelos russos, disse à televisão estatal Rossiya-24 que cerca de 5.000 civis fugiram para a Rússia, mas a fronteira agora estava fechada.

"A situação está se tornando mais difícil a cada hora", afirmou ele.