Norte-coreanos são convocados a fortalecer sua lealdade ao regime após estragos da pandemia

·3 minuto de leitura
(ARQUIVO) Prédio de apartamentos em Pyongyang em 24 de julho de 2017

Para se proteger da pandemia, a Coreia do Norte se fechou ainda mais, o que aumentou seu isolamento.

Diante dessa situação difícil, a população é convocada a demonstrar maior lealdade ao regime, segundo especialistas.

O país, cuja economia está em colapso devido às múltiplas sanções internacionais impostas em decorrência de seus programas militares, há algum tempo vive uma grave crise alimentar. Com a pandemia, a situação deve ter piorado.

Pyongyang foi um dos primeiros governos a impor restrições sanitárias rígidas, incluindo o fechamento de suas fronteiras para evitar a disseminação do coronavírus detectado na China.

O regime garante que a epidemia não atingiu o território, o que muitos especialistas questionam.

Mas esse isolamento teve um alto impacto econômico e até mesmo o líder norte-coreano Kim Jong Un reconheceu as dificuldades que a população tem que enfrentar, pedindo que se preparem para o pior.

O comércio com Pequim, o principal apoio econômico e diplomático do regime, foi drasticamente reduzido. Dados da agência alfandegária chinesa relataram que a Coreia do Norte importou US$ 29 milhões em mercadorias em abril, mais que o dobro do número em março, mas bem abaixo do nível pré-pandemia.

“Pyongyang estava em uma situação desesperadora antes da pandemia”, observa Soo Kim, um ex-funcionário da CIA que atualmente trabalha para a RAND Corporation.

“O coronavírus agravou as dificuldades sistêmicas, institucionais e econômicas existentes”. Todos os estrangeiros que trabalham para a ONU e agências de ajuda deixaram o país por causa das restrições.

Várias organizações confirmaram à AFP que este ano não será publicado o relatório “Necessidades e Prioridades” que normalmente apresenta o balanço da situação humanitária no país e no qual se baseia a ONU para pedidos de fundos.

A decisão se deve à "ausência de avaliações e observações de campo em decorrência das restrições impostas ao combate ao coronavírus", disse Edwin Salvador, representante em Pyongyang da Organização Mundial da Saúde (OMS).

É "muito provável" que a pandemia tenha "agravado" a situação humanitária na Coreia do Norte, onde 10,6 milhões de pessoas estão necessitadas, disse um porta-voz do Escritório da ONU para a Coordenação de Assuntos Humanitários (OCHA).

- "Marcha Árdua" -

Kim reconheceu em abril a difícil situação que o país tem que enfrentar e pediu "que façam uma nova 'Marcha Árdua', ainda mais dura, para ajudar a população diante das dificuldades, mesmo que seja um pouco".

A "Marcha Árdua" é a expressão usada na Coreia do Norte para se referir à fome dos anos 1990 que causou centenas de milhares de mortes, devido à redução da ajuda de Moscou após a queda soviética.

Esta referência busca motivar a população a “enfrentar as adversidades” e a trabalhar pela “sobrevivência da nação”, estima Gianluca Spezza, do Instituto de Políticas de Segurança e Desenvolvimento de Estocolmo.

"Se a história da Coreia do Norte nos ensinou alguma coisa, é esse caráter especial do nacionalismo norte-coreano que faz a RPDC prosperar nos tempos mais difíceis", disse ele, citando as iniciais de República Popular Democrática da Coreia (RPDC).

Nos últimos meses, o líder norte-coreano enviou inúmeras cartas às organizações do regime, como a Liga da Juventude e a Federação dos Sindicatos, para homenageá-los por carregar alto "a bandeira da lealdade e do patriotismo", segundo a agência oficial KCNA.

Os meios de comunicação oficiais multiplicam as reportagens em que são observados centenas de jovens, alguns órfãos, que são “voluntários” para trabalhos braçais a serviço do Estado.

"As imagens de jovens fazendo fila para trabalhar voluntariamente nas minas são uma forma de Pyongyang reafirmar sua identidade para o mundo exterior, mesmo que só se veja nelas casos graves de violações dos direitos humanos", disse Michael Madden, do Stimson Center.

Segundo o especialista, o regime iniciou uma operação para doutrinar os jovens, para quem a “Marcha Árdua” é apenas uma memória.

bur-sh/slb/jac/juf/cn/es/zm/jc

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos