Norte da Ucrânia é alvo de bombardeio intenso a partir da Bielorrússia

A região fronteiriça norte da Ucrânia de Chernihiv foi alvo de "bombardeamentos intensos" disparados a partir do território da Bielorrússia, aliada da Rússia, disse o Exército ucraniano em comunicado neste sábado.

Referendo: Bielorrússia aprova reformas constitucionais que incluem abandono de status de país não nuclear

Em conjunto: Rússia e Bielorrússia estendem exercícios militares perto da Ucrânia; Kremlin alerta que previsões de invasão são provocativas

"Por volta das 5.00 da manhã (2.00 GMT), a região de Chernigiv sofreu um bombardeamento intenso por mísseis. Vinte foguetes, disparados do território da Bielorrússia e do ar, atingiram a aldeia de Desna", escreveu o comando militar do norte da Ucrânia no Facebook, acrescentando que até o momento não houve relatos de vítimas.

Apesar de não estar envolvida diretamente no conflito com a Ucrânia, a Bielorrússia forneceu apoio logístico às tropas de Moscou, especialmente nas primeiras semanas da ofensiva russa, que começou no fim de fevereiro.

"O bombardeio de hoje está diretamente relacionado aos esforços do Kremlin para atrair a Bielorrússia para a guerra na Ucrânia como cobeligerante", disse a direção-geral dos serviços de Inteligência ucranianos, sob o Ministério da Defesa, no Telegram.

No front: Após ataque russo, Ucrânia perde controle da penúltima cidade de Luhansk

Entenda: Até quando um desgastado Biden conseguirá mobilizar o Ocidente contra a Rússia?

O ataque ocorre antes da reunião deste sábado entre o presidente russo, Vladimir Putin, e seu homólogo bielorrusso, Alexander Lukashenko, em São Petersburgo. Os aliados ocidentais da Ucrânia, por outro lado, se reunirão a partir de domingo em uma cúpula do G7 na Alemanha.

Kiev insiste que precisa de mais armas para neutralizar o avanço das tropas russas e "estabilizar" a situação em Donbas, no Leste, onde estão ocorrendo intensos combates.

— Isso nos permitirá estabilizar a situação na região mais ameaçada de Luhansk — disse o comandante-em-chefe das Forças Armadas da Ucrânia, Valeriy Zaluzhnyi, na sexta-feira.

Após semanas de duros combates, as forças de Kiev que lutavam em Severodonetsk vão se retirar da cidade no Leste ucraniano, anunciou o governador Serhiy Gaidai na noite de sexta-feira. A área era o epicentro mais recente do conflito com os russos, e o recuo abre caminho para que o Kremlin amplie seu domínio em Donbass, região que compreende os territórios de Donetsk e Luhansk, em uma das vitórias mais cruciais para o presidente Vladimir Putin desde que a invasão começou, há exatos quatro meses.

"As Forças Armadas ucranianas terão que se retirar de Severodonetsk. Receberam ordens para isto. Permanecer em posições que foram bombardeadas incessantemente durante meses não faz mais sentido", escreveu Gaidai, o governador de Luhansk, em seu canal oficial no Telegram, afirmando que a cidade foi "quase transformada em escombros" pelos bombardeios contínuos. "Todas as infraestruturas críticas foram destruídas: 90% da cidade foi danificada e 80% das casas terão que ser demolidas."

A conquista de Severodonetsk, na margem leste do rio Donetsk, permitirá aos russos concentrarem seus esforços na tomada da cidade vizinha, Lysychansk, que fica do outro lado do rio e é a última sob controle ucraniano em Luhansk. Inicialmente fora da lista de prioridades russas após a invasão iniciada no dia 24 de fevereiro, as cidades voltaram a serem lembradas após a mudança nos planos de Moscou, no final de março.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos