Nos 20 anos do massacre em Columbine, mulher armada espalha novo pânico

Em 1999, 13 pessoas foram assassinadas na escola Columbine, no Colorado, por dois estudantes que depois se suicidaram

No mês que completam duas décadas do massacre na escola secundária Columbine, as autoridades do estado do Colorado entraram em alerta após ameaças contra a escola feitas por uma mulher "armada e extremamente perigosa".

Outras 20 escolas do condado de Jefferson, onde fica Columbine, e o resto da zona metropolitana de Denver reforçaram as medidas de segurança.

"Devido às ameaças críveis contra as escolas por um indivíduo identificado pelo FBI, o Departamento de Segurança Pública recomenda a todas as escolas da área metropolitana de Denver a fazerem um 'lockout' [fechar todos os acessos] e uma evacuação controlada imediatamente", informou o Departamento de Educação do Colorado (centro dos EUA).

O FBI e a polícia identificaram a mulher como Sol País, de 18 anos.

"Ontem à noite [segunda-feira] viajou ao Colorado e fez ameaças. Está armada e é considerada extremamente perigosa", segundo um texto do xerife do condado de Jefferson postado em redes sociais, acompanhado de duas fotos da suspeita, de cabelo e olhos escuros. Na segunda imagem ela está de óculos.

As autoridades indicaram, segundo a imprensa, que a jovem estava "obcecada" com o tiroteio em Columbine, ocorrido no dia 20 de abril de 1999 em Littleton, quando Eric Harris e Dylan Klebold, estudantes do último ano, mataram a tiros 12 colegas e um professor, antes de cometerem suicídio.

"Como esta é uma investigação ativa e em curso, não podemos dar mais informação sobre de onde é Sol País, quanto tempo esteve aqui e a natureza da ameaça. Isso poderia comprometer a investigação", acrescentou.

O xerife garantiu que as crianças estão a salvo e informou que policiais da localidade foram enviados para as escolas, enquanto continuam as buscas.