‘Nós’ abraça terror para mostrar invasão do que há de pior nas pessoas

(Imagem: divulgação Universal)

Se houve gente que saiu de ‘Corra!’ frustrado com a ausência de um terror mais gráfico e sanguinolento, estes não terão do que reclamar após conferirem ‘Nós’, novo filme do diretor e roteirista Jordan Peele, que chega aos cinemas nesta quinta-feira.

Receba no seu Whatsapp as novidades sobre o mundo dos famosos (e muito mais)

Mais visceral e menos interessado em abordar a questão racial em relação ao premiado trabalho anterior do cineasta, o longa chama a atenção pela capacidade de Peele em criar uma atmosfera macabra, na qual todos os elementos em cena são ameaças em potencial e o perigo está sempre à espreita.

Nós’ acompanha uma viagem da família Wilson para a praia de Santa Cruz, na Califórnia. O local é o mesmo no qual trinta anos anos antes, durante a infância, a matriarca Adelaide (Lupita Nyong’o, vencedora do Oscar por ‘12 Anos de Escravidão’ e que agora adiciona mais um ponto alto à carreira) sofreu um acontecimento traumático sobre o qual nunca falou. Numa noite, sem maiores explicações, a casa onde estão hospedados é cercada por quatro invasores, cada um de feições semelhantes a cada membro da família.

O jogo de espelhos distorcidos, alegoria explicitada logo no prólogo da trama, vai ficando cada vez mais sinistro. Sádicos e extremamente violentos, os clones se identificam como “sombras”, conceito que, na psicologia junguiana, se refere ao aspecto mais animalesco e sombrio da personalidade humana. Não é por acaso que, no filme, estas criaturas vivem no subterrâneo, escondidas, como convencionamos a fazer com nossos impulsos menos elogiáveis.

Acontece que, no mundo contemporâneo onde uma atrocidade diferente é noticiada a cada dia, parece que não há mais como impedir que o que há de pior na humanidade ocupe a superfície da Terra, ou especificamante os Estados Unidos, terra natal do cineasta (o título original, Us, também é um acrônimo de United States). Estamos todos, tanto na terra de Trump quanto aqui, menos tolerantes e pacientes, mais irados e agressivos.

As tampas do esgoto foram abertas, e agora salve-se quem puder. Ou então, como diz a Bíblia, “Eis que trarei mal sobre eles, de que não poderão escapar; e clamarão a mim, mas eu não os ouvirei” – Jeremias 11:11, trecho ao qual o filme faz referência.

Como já tinha demonstrado em ‘Corra!’, Peele é capaz de passar mensagens complexas sem perder o tom pop. Em ‘Nós’, ele inclui na trilha Beach Boys e NWA, menciona visualmente ‘Tubarão’ e o clipe de ‘Thriller’, de Michael Jackson’, e ainda coloca seus personagens para discutir sobre ‘Esqueceram de Mim’ num dos momentos mais tensos. O diretor sabe que fazer rir abre a guarda do público para os sustos que virão a seguir.