Nos EUA, projeto de NFTs baseados em George Floyd gera debate

·1 min de leitura
Foto: Reprodução da internet.
Foto: Reprodução da internet.
  • Um projeto de NFT está vendendo diferentes ilustrações de George Floyd, homem negro assassinado pela polícia em 2020.

  • A coleção foi lançada na plataforma OpenSea, no dia 7 de dezembro.

  • Segundo especialistas, o projeto aparenta ser uma 'trolagem' oportunista.

A venda de uma coleção de NFTs baseadas em George Floyd vem gerando polêmica e debate nos Estados Unidos nas últimas semanas. 

O projeto do token não fungível está vendendo diferentes ilustrações de Floyd, homem negro assassinado por um policial em Minneapolis, nos EUA, em maio de 2020, e que representou o estopim para o movimento 'Black Lives Matters'.

Leia também:

A "coleção" foi lançada na plataforma OpenSea no dia 7 dezembro. Contudo, o projeto parece não ter relação direta com a família de Floyd ou com a comunidade ativista.

Os NFTs, apelidados de “Floydies”, aparentam ser partes de um projeto de ‘trolagem’, que visa lucrar a qualquer custo.

Os tokens seguem a tendência da tecnologia baseada nas coleções “Bored Apes” e “Lazy Lions”.

Cada uma das imagens vendidas como NFT é uma representação mal desenhada de Floyd, com olhos vermelhos e com vestimentas diferentes, por vezes em teor de zombaria.

Contudo, o perfil do projeto no OpenSea diz que a coleção é uma celebração da vida de Floyd, e que o ato de comprar os tokens é “uma ótima maneira de se expressar e expressar suas crenças!”

Marcello Lins, engenheiro de software da Square, afirma que "a maior parte do espaço criptográfico, e NFT por consequência, é um lixo absoluto atualmente."

"Esse projeto nunca teve o objetivo de ajudar ninguém, a não ser seus próprios criadores, ainda que alegue ser exatamente o oposto", conclui Lins.

As informações são do Futurism.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos