Nota de R$ 200 completa 2 anos valendo 'menos'

O governo federal guarda 74,4% das 420 milhões de notas produzidas (Getty Image)
O governo federal guarda 74,4% das 420 milhões de notas produzidas (Getty Image)
  • A nota completa dois anos de existência nesta sexta-feira (2)

  • Desde que foi criada, a inflação corroeu 19,6% do poder de compra da cédula

  • Ela passou a valer R$ 161 em comparação com 2020

Nunca se falou tanto em lobo-guará como quando pelo BC (Banco Central) anunciou o lançamento da nota de R$ 200. A cédula, que é a maior disponível no portfólio da nossa moeda, completa dois anos de existência nesta sexta-feira (2).

Contudo, a aniversariante não tem muito o que comemorar. Desde 2020, a inflação corroeu 19,6% do poder de compra da cédula. Em níveis de comparação, a cédula vale o equivalente a R$ 161 em comparação com o ano em que foi lançada.

Ela foi criada no primeiro ano da pandemia de covid-19 para evitar eventual desabastecimento de dinheiro de papel. No entanto, o governo federal guarda 312,5 milhões (74,4%) das 420 milhões de notas produzidas no inicialmente.

Existem muitas razões que podem justificar a baixa utilização da nota. Além das pessoas estarem com menos dinheiro disponível para gastar, o crescimento de transações eletrônicas também diminui a necessidade de sacar notas constantemente.

O Pix, por exemplo, chegou a representar 10,6% do total de pagamentos de varejo em 2021. de acordo com o BC. Lançado no dia 5 de outubro de 2020 com início de funcionamento integral em 16 de novembro de 2020, o meio de pagamento se tornou um dos favoritos dos brasileiros e fez muito mais sucesso do que o lobo acinzentado.

Mesmo com a baixa utilização, não existem planos para descontinuar a cédula. Ainda assim existem menos notas de R$ 200 circulando do que de R$ 1, pararam de serem utilizadas em 2005 e viraram item de colecionadores.