Nota de R$ 200 está encalhada um ano após lançamento

·1 minuto de leitura
Foto: Raphael Ribeiro/BCB
Foto: Raphael Ribeiro/BCB
  • A nota de R$ 200 completará um ano de seu lançamento, em 2 de setembro, completamente encalhada

  • Apenas 18% das cédulas produzidas estão em circulação

  • A nova nota foi criada sob a justificativa de evitar falta de dinheiro aos brasileiros

Criada sob a justificativa de evitar falta de dinheiro aos brasileiros, a nota de R$ 200 completará um ano de seu lançamento na próxima quinta-feira (2) completamente encalhada. Segundo reportagem do portal UOL, apenas 18% das cédulas produzidas estão em circulação.

Para o Banco Central, o ritmo de circulação está dentro do esperado. A instituição encomendou 450 milhões de unidades, o equivalente a R$ 90 bilhões. Entretanto, somente 79 milhões estão disponíveis para o uso dos brasileiros, totalizando R$ 15,8 bilhões. As 371 milhões de notas restantes estão armazenadas.

Leia também:

O governo gastou R$ 113,8 milhões para produzir as notas de R$ 200. Quando anunciou o lançamento, a diretora de Administração do BC, Carolina de Assis Barros, declarou que a pandemia de coronavírus exigiu um maior número de cédulas em circulação no país.

Procurado pelo portal UOL, o BC declarou que o ritmo de utilização da cédula de R$ 200 vem evoluindo de acordo com o esperado. O BC afirmou o que fornecimento de cédulas é realizado de forma a atender a demanda da sociedade por notas.

Questionada sobre planos para tirar a nota de R$ 200 de circulação, a instituição financeira limitou-se a dizer que qualquer nova denominação de cédula entra em circulação de forma gradual e de acordo com a necessidade.

A cédula de R$ 200 é a sétima da família de notas do real, que tem também notas de R$ 2, R$ 5, R$ 10, R$ 20, R$ 50 e R$ 100. As notas de R$ 1 não são mais produzidas.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos