Nota de R$ 200 não facilita corrupção pois vale poucos dólares, diz BC

Marcus Couto
·2 minuto de leitura
BC afirma que nota de R$ 200 vale pouco perto do dólar. (Foto: REUTERS/Nacho Doce)
BC afirma que nota de R$ 200 vale pouco perto do dólar. (Foto: REUTERS/Nacho Doce)

O Banco Central afirmou, em seu parecer enviado ao Supremo Tribunal Federal sobre a nova nota de R$ 200, que a cédula não facilita a corrupção pois vale pouco frente ao dólar. Segundo o documento, a cédula é “muito menor que os valores das maiores cédulas das principais moedas internacionais”.

Baixe o app do Yahoo Mail em menos de 1 min e receba todos os seus emails em 1 só lugar

Siga o Yahoo Finanças no Google News

A nova nota de R$ 200 vale hoje cerca de US$ 39, o que a faria desinteressante para operações de lavagem de dinheiro.

Leia também

A argumentação do BC foi enviada ao Supremo depois de os partidos PSB, Rede e Podemos terem pedido esclarecimentos sobre a nova cédula, um movimento considerado por seus integrantes como contraditório às práticas mais modernas de incentivo de transações digitais, essas mais seguras.

O BC afirma que “é no mínimo duvidoso o argumento de que a nova cédula, por si só, irá facilitar os crimes de lavagem de dinheiro e de ocultação de valores, haja vista o baixo valor de reserva que a nova cédula de duzentos reais representará em comparação com as moedas acima referidas”. As informações são do Antagonista.

Ao anunciar o lançamento da nova cédula de R$ 200, no final de julho, o BC afirmou que fazia isso para economizar com a impressão de notas, em um momento em que a circulação de dinheiro vivo aumentava por conta da crise do novo coronavírus.

As notas ainda não chegaram ao mercado, mas segundo o documento, isso deve acontecer a partir do dia 2 de setembro.

O BC argumenta ainda que, se o projeto fosse cancelado a essa altura, haveria prejuízo para a sociedade, por conta dos gastos já realizados até agora em desenvolvimento e impressão das novas cédulas.

Assine agora a newsletter Yahoo em 3 Minutos

Siga o Yahoo Finanças no Instagram, Facebook, Twitter e YouTube