Lewandowski encaminha à PGR notícia-crime sobre suposto envolvimento de Bolsonaro em defesa de Flávio

  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
·Agência de notícias
·2 min de leitura
Neste artigo:
  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
Presidente teria atuado em defesa do filho na investigações de suposto esquema de “<strong>rachadinha</strong>” no gabinete do então deputado estadual e hoje senador <a href="http://www.huffpostbrasil.com/news/flavio-bolsonaro" target="_blank" rel="noopener noreferrer"><strong>Flávio Bolsonaro</strong></a> (Republicanos-RJ) na Assembleia Legislativa do Rio de Janeiro. (Photo: Ricardo Moraes / Reuters)
Presidente teria atuado em defesa do filho na investigações de suposto esquema de “rachadinha” no gabinete do então deputado estadual e hoje senador Flávio Bolsonaro (Republicanos-RJ) na Assembleia Legislativa do Rio de Janeiro. (Photo: Ricardo Moraes / Reuters)

O ministro do STF (Supremo Tribunal Federal) Ricardo Lewandowski encaminhou nesta terça-feira à PGR (Procuradoria-Geral da República) notícia-crime sobre eventual envolvimento do presidente Jair Bolsonaro e de estruturas governamentais nas investigações de suposto esquema de “rachadinha” no gabinete do então deputado estadual e hoje senador Flávio Bolsonaro (Republicanos-RJ) na Assembleia Legislativa do Rio de Janeiro.

O despacho à PGR é uma formalidade, já que o processo não foi originado pelo Ministério Público, que agora precisa se manifestar, considerando-se o foro dos envolvidos.

A representação de autoria da deputada Natália Bonavides (PT-RN) foi protocolada no STF em desfavor de Bolsonaro, de Flávio, que é filho do presidente, e ainda do chefe do Gabinete de Segurança Institucional (GSI), Augusto Heleno, e o diretor da Agência Brasileira de Inteligência (Abin), Alexandre Ramagem. A peça aponta para possível uso de instituições do Estado “para produção de provas em favor do filho do presidente da República”.

“Tamanha subversão das instituições não pode ficar sem a devida apuração e sem a responsabilização cabível”, diz o documento enviado pela deputada, que pede abertura de inquérito para apurar a prática de crimes de advocacia administrativa ou de tráfico de influência, e o oferecimento de denúncia, caso os fatos sejam confirmados.

Em outubro, a revista Época noticiou uma reunião ocorrida entre Bolsonaro, Heleno, Ramagem e advogados de Flávio na qual a equipe de defesa teria levado às autoridades documentos que supostamente dariam sustentação à tese da existência de uma organização criminosa na Receita Federal a serviço do levantamento de informações para relatórios de inteligência financeira do Conselho de Controle de Atividades Econômicas (Coaf).

Ainda segundo a Época, Heleno e Ramagem teriam recebido a missão de, “em nome da segurança da família presidencial”, checar e buscar elementos para apoiar a defesa do senador.

Em nota, a defesa de Flávio argumentou à época que “o fato foi levado diretamente ao GSI por ter sido praticado contra membro da família do senhor presidente da República”. Também em nota na ocasião, o GSI confirmou ter recebido de maneira informal dados “acerca de supostas irregularidades, que teriam sido cometidas em relatórios da Receita Federal”, mas conclui que não havia providência a ser tomada no âmbito do órgão.

LEIA MAIS:

Parlamentares denunciam Bolsonaro por homofobia e improbidade administrativa

Bolsonaro cita suspeitas de 'interferência internacional' nas eleições dos EUA e riscos ao Brasil

MP denuncia Flávio Bolsonaro por organização criminosa, peculato, lavagem e apropriação indébita

Este artigo apareceu originalmente no HuffPost Brasil e foi atualizado.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos