Nova fase de vacinação começa nesta quarta no Rio: Tire as principais dúvidas

Lucas Altino
·4 minuto de leitura
Foto: Cléber Júnior / Agência O Globo 23/01/2021

A partir desta quarta, o Rio começará novos passos no caminho da imunização contra a Covid-19. Até a quarta-feira da semana que vem, todas as Clínicas da Família e Centros Municipais de Saúde da capital estarão realizando a segunda fase da campanha de vacinação.

São 236 unidades que abrirão as portas para os cerca de 66 mil profissionais de saúde com mais de 60 anos, aptos a receberem a dose de Oxford/AstraZeneca. Além disso, profissionais de emergência que atuam na linha de frente continuarão recebendo vacinas nas suas unidades de trabalho, em conclusão à primeira fase da campanha.

Nesta quarta-feira (27). A previsão é que a data seja a mesma de início em todos os municípios do estado. Vale destacar que, na quarta, ainda estarão sendo vacinados os profissionais de saúde de emergência da capital da primeira fase da vacinação, com as doses de CoronaVac.

Nesta fase, serão vacinados, com a devida comprovação, as seguintes categorias de profissionais idosos (com 60 anos ou mais): médicos, enfermeiros, nutricionistas, fisioterapeutas, terapeutas ocupacionais, biólogos, biomédicos, farmacêuticos, odontólogos, fonoaudiólogos, psicólogos, assistentes sociais, profissionais de educação física, médicos veterinários e seus respectivos técnicos e auxiliares.

Outras duas categorias foram incluídas: funcionários do sistema funerário que tenham contato com cadáveres potencialmente contaminados e trabalhadores que realizam exames de Covid-19. Além disso, será finalizada a vacinação dos funcionários de urgência e emergência das unidades hospitalares envolvidos no atendimento à Covid-19.

O grupo da nova fase de vacinação soma cerca de 66 mil pessoas, segundo a Secretaria municipal de Saúde.

A prefeitura informou que os profissionais de saúde precisam apresentar "documentação e comprovante de seus conselhos de classe".

A Secretaria municipal de Saúde esclareceu que os profissionais precisarão apresentar a carteira de seus conselhos dentro da validade e que, portanto, estejam aptos a desempenhar suas funções profissionais.

Quem não tiver mais carteira do conselho ativa, seja por aposentadoria ou outro motivo, deverá aguardar a abertura da vacinação para os demais grupos prioritários. Para as categorias que não tenham conselho, é preciso apresentar comprovante de vinculação profissional, como no caso dos agentes funerários.

A orientação, seguindo orientação do Ministério da Saúde, é de que pessoas que tiveram sintomas há até quatro semanas não recebam vacina. A recomendação é de que a vacinação deve ser adiada até a recuperação clínica total e pelo menos quatro semanas após o início dos sintomas; ou, nos casos assintomáticos, após quatro semanas a partir da primeira amostra de PCR positiva.

Diferentemente da primeira fase, em que as vacinas foram, na sua maioria, aplicadas no local de trabalho dos profissionais ou em asilos, dessa vez os profissionais de saúde deverão se dirigir a uma das 236 clínicas da família e centros municipais de saúde da cidade. A prefeitura, no entanto, ainda não detalhou se haverá calendário com dias específicos para cada categoria.

As clínicas e CMS seguirão o horário padrão de 8h às 17h. Mas, algumas unidades consideradas estratégicas funcionarão até 20h ou até 22h. A SMS, porém, ainda não especificou quais.

Até agora, a prefeitura não informou a necessidade de cadastro ou agendamento. Como a vacinação está ainda restrita a categorias específicas, não há nenhum tipo de site para cadastro para a população geral.

Segundo a prefeitura, nessa nova fase, a pessoa receberá qualquer uma das duas vacinas, de acordo com a disponibilidade. Mas, como já foram vacinados cerca de 60 mil pessoas na cidade com a Coronavac, a nova fase de vacinação terá mais oferta de doses de Oxford/AstraZeneca.

Sim. A prefeitura afirmou que seguirá a orientação do Ministério da Saúde e aplicará todas as doses recebidas.

O intervalo entre as doses de Oxford/AstraZeneca pode ser de até 90 dias, um período três vezes maior que o intervalo da vacina CoronaVac. Ou seja, haverá tempo de a segunda remessa de vacinas chegar para completar a imunização.

A Secretaria estadual de Saúde confirmou a entrega de todas as doses recebidas de uma só vez para os municípios, com essa finalidade (com exceção de uma reserva estratégica de 4%).

Na primeira fase de vacinação, o governo estadual enviou aos municípios metade das 487 mil doses de vacinas CoronaVac. A segunda metade ficou guardada na central da Secretaria estadual de Saúde (SES), e a previsão é de distribuição na semana que vem. Já a estratégia das doses Oxford/AstraZeneca foi diferente. Nesse caso, a pasta fez uma reserva estratégica de apenas 4,8% das 185 mil doses recebidas, restando 176.220 para envio aos municípios.