Nova porta-voz da Casa Branca promete que 'nunca' mentirá

Por Jerome CARTILLIER
Nova porta-voz da Casa Blanca, Kayleigh McEnany, promete que 'nunca' mentirá, em 1 de maio de 2020 na Sala de Imrensa James Brady.

"Eu nunca mentirei para vocês", disse nesta sexta-feira Kayleigh McEnany, a nova porta-voz da Casa Branca, relançando uma tradição perdida: as entrevistas coletivas diárias.

Rompendo com uma prática firmemente estabelecida por décadas sob presidentes republicanos e democratas, a Casa Branca abandonou esse ritual há mais de um ano, deixando o presidente Donald Trump como seu próprio porta-voz.

A jovem secretária de imprensa de 31 anos marcou seu estilo em flagrante contraste com Stephanie Grisham, a quem substituiu em meados de abril e que nunca havia aparecido no pódio.

As porta-vozes anteriores Sarah Sanders e Sean Spicer estavam muito mais presentes na sala de imprensa de James Brady, embora Sanders tenha parado de dar instruções em março de 2019.

Combativa, mas longe dos agressivos ataques do presidente à imprensa de "notícias falsas" e "inimigos do povo", McEnany respondeu às perguntas dos jornalistas por 30 minutos nesta sexta.

A sala de imprensa mais famosa do mundo tem 49 assentos, mas apenas 14 foram ocupados devido a ordens de distanciamento social para impedir a propagação do novo coronavírus.

"Eu nunca mentirei para vocês, vocês têm minha palavra", disse McEnany, observando que planeja "continuar" com os contatos diários.

Sua profissão de fé em sua honestidade e comprometimento será, é claro, testada nos próximos meses.

Graduada nas universidades de Georgetown e Harvard, Kayleigh McEnany, que era comentarista da Fox e da CNN antes de se tornar porta-voz da campanha de Trump em 2020, sabe que suas declarações serão cuidadosamente analisadas.

A Casa Branca disse repetidamente que Trump prefere ser seu próprio porta-voz, comunicando-se diretamente pelo Twitter e suas muitas interações diretas com jornalistas.

Mas sua imagem sofreu uma ferida autoinfligida na semana passada, quando fez uma estranha declaração, da sala de imprensa, de que pacientes com coronavírus poderiam receber injeções com desinfetantes.