Nova portaria da Saúde sobre preços do SUS vira alvo de críticas e gera reação de entidades

·1 min de leitura

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - As entidades de cardiologia intervencionista e cirurgia cardiovascular estão se mobilizando contra uma portaria do Ministério da Saúde do último dia 17 que reduziu os valores que podem ser pagos pelo Sistema Único de Saúde em materiais e procedimentos utilizados pelos profissionais da área.

Ao Painel, da Folha de S.Paulo, o presidente da Sociedade Brasileira de Cirurgia Cardiovascular, Eduardo Rocha, disse que o preço a ser pago no marcapasso, por exemplo, foi reduzido de R$ 5,2 mil para R$ 2,7 mil. O desfibrilador agora ficará com preço de R$ 18 mil ante R$ 50 mil até a publicação da portaria.

"Os fornecedores sinalizaram que a partir de janeiro não vão conseguir nos fornecer. Nós estamos em pânico com isso, porque o doente vai chegar e não vai ter como ser tratado", diz Rocha.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos