Nova rainha de bateria da Paraíso do Tuiuti foi candidata à prefeitura de Mesquita com apoio de Bolsonaro

·2 minuto de leitura

A Paraíso do Tuiuti tem uma nova rainha de bateria. Trata-se de Thay Magalhães. Um nome desconhecido no mundo do samba. Mas bem popular na política. Este é o “nome artístico” de Thaianna Cristina Barbosa dos Santos, que foi candidata a prefeita de Mesquita, na Baixada Fluminense, no ano passado. Ela concorreu pelo PSDB, masteve o apoio do presidente Jair Bolsonaro, inclusive no material de campanha.

O curioso é que ao ser alçada ao posto de rainha de bateria da agremiação, Thay deletou as fotos em que aparecia ao lado de Bolsonaro, de Flavio, filho dele, e até de Paulo Guedes, Ministro da Economia. Dentista formada e especializada em harmonização facial, de acordo com seu perfil no Instagram, agora ela aparece na rede social como Thay Magalhães, rainha de bateria e musa da Império da Casa Verde. Antes, os títulos davam lugar à sua versão candidata.

Até junho de 2020, pouco antes de começar sua campanha política, Thaianna tinha cargo comissionado na Câmara dos Deputados, pelo qual recebia R$ 15.698,32 como secretária parlamentar do deputado federal Márcio Labre (PSL), que se envolveu numa grande polêmica aem seu primeiro dia de mandato, ao propor projeto de lei que propunha proibir a venda, distribuição, propaganda e doação de alguns métodos contraceptivos, sob a justificativa de serem "micro-abortivos".

Em sua campanha política pelas ruas de Mesquita, seguindo a cartilha bolsonarista, Thaianna, a Dra. Thai., raramente era vista usando máscara. Como no dia em que foi panpletar numa feira livre e fez questão de cumprimentar os feirantes e os compradores com apertos de mãos, sem o uso do equipamento de proteção, ainda que fosse profissional da saúde.

Vale lembrar que em 2018, a Paraíso do Tuiuti foi a vice-campeã do carnaval por fazer críticas contundentes aos políticos brasileiros. No ano seguinte, um pouco mais discreta, levou para a Avenida uma ala de coxinhas armadas e no último carro frases que ironizavam as falas de efeito do presidente da república: “Deus acima de tudo, mas a favor da tortura”, “Direitos humanos para humanos direitos”.