Nova sede da Copa América, Brasil tem média de mortes por Covid-19 próxima da Argentina

·2 minuto de leitura

No dia em que a Conmebol anuncia o Brasil como nova sede da Copa América, o Brasil registrou nas últimas 24 horas 874 mortes por Covid-19, e chega a 462 mil óbitos no total. A 13 dias do início da competição de seleções, o país tem média diária de vítimas proporcional à população de 8,64, números não muito distantes dos registrados pela Argentina, que desistiu de sediar o torneio devido a situação sanitária e tem média de mortes de 10,72.

A entidade sul-americana anunciou nesta segunda-feira que as partidas acontecerão em solo brasileiro após o governo da Argentina afirmar que seria "muito difícil" sediar a Copa América neste momento da pandemia. O país iniciou nove dias de quarentena total, enquanto registra média diária sem precedentes de 30 mil infecções e quase 500 mortes, com o sistema de saúde no limite. Ocorreram 3.732.263 infecções e 77.115 mortes relacionadas ao coronavírus registradas no país desde o início da pandemia.

A Argentina é atualmente o quarto país com mais novos óbitos por Covid-19 no mundo, atrás de Paraguai, Uruguai e Bahrein. O Brasil está em oitavo nesta lista, com 60.695 novos casos na média móvel. São16,5 milhões de casos registrados no total desde o início da pandemia entre brasileiros.

Os números são do balanço do consórcio de veículos de imprensa, com informações das secretarias de Saúde.

O anúncio do Brail como país-sede acontece dois dias após uma série de protestos em pelo menos 20 capitais, em que a população foi às ruas criticar a forma como o governo conduz a pandemia.

Originalmente, a Copa América aconteceria na Colômbia e na Argentina, entre os dias 13 de junho e 10 de julho. Antes da Argentina desistir de sediar a competição, a Colômbia já havia sido descartada devido à onda de protestos no país. A América do Sul é a região com mais mortes proporcionais por Covid-19 do mundo.