Nova York volta a fechar escolas a partir desta quinta por avanço da covid-19

·1 minuto de leitura
O prefeito de Nova York, Bill de Blasio, cumprimenta com o cotovelo uma aluna na reabertura das escolas na cidade, em 29 de setembro de 2020
O prefeito de Nova York, Bill de Blasio, cumprimenta com o cotovelo uma aluna na reabertura das escolas na cidade, em 29 de setembro de 2020

O prefeito de Nova York anunciou nesta quarta-feira (18) que as escolas públicas da cidade, frequentadas por 1,1 milhão de crianças e jovens, voltarão a fechar as portas a partir da quinta devido ao avanço do novo coronavírus.

"Nova York alcançou o umbral de uma média de 3% de testes positivos durante sete dias. Infelizmente, isso significa que os prédios das escolas públicas estarão fechados a partir de amanhã, quinta-feira, 19 de novembro, por precaução", disse o prefeito Bill de Blasio em sua conta no Twitter.

"Devemos lutar contra a segunda onda de covid-19", acrescentou.

O diretor escolar Richard Carranza informou que as aulas serão oferecidas apenas de forma remota até novo aviso.

A medida é questionada por muitos nova-iorquinos que ressaltam que a taxa de testes positivos nos estabelecimentos educacionais desde sua reabertura, em setembro, é muito inferior à taxa média da cidade.

Outros se perguntam porque fechar as escolas, com os danos que representam para as crianças, quando ainda se permite fazer refeições em bares e restaurantes, ainda que com ocupação reduzida.

O prefeito, no entanto, se comprometeu com o poderoso sindicato de professores a fechar os estabelecimentos se a taxa de contágios chegasse a 3% durante sete dias.

Nova York, que foi epicentro da pandemia do novo coronavírus nos Estados Unidos em abril e maio, registrou mais de 34.000 mortos pela covid-19.

Embora a cidade e inclusive o estado tenham uma taxa inferior de casos positivos do que muitas outras regiões do país, os números estão subindo.

lbc/llu/mvv