Em novas mensagens divulgadas, Moro teria pautado imprensa contra Lula

REUTERS/Adriano Machado
REUTERS/Adriano Machado

O site The Intercept Brasil deu prosseguimento na noite desta sexta (14) à divulgação de mensagens atribuídas ao ministro Sergio Moro, da Justiça e Segurança Pública.

No conteúdo divulgado nesta sexta está um episódio ocorrido em 10 de maio de 2017. Moro já presidia um processo criminal contra o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva.

Leia também

De acordo com o Intercept, Moro enviou mensagens com o intuito de coordenar uma reação midiática ao que o então juiz se refere como “showzinho” da defesa de Lula, de acordo com as mensagens vazadas.

No episódio narrado, Moro manda mensagem para Santos Lima, da força-tarefa da Lava Jato, questionando sobre o depoimento do ex-presidente no processo que futuramente renderia sua condenção.

Esse foi o primeiro matéria divulgado pelo Intercept após a entrevista de Sergio Moro ao Estado de S.Paulo, publicada nesta sexta. Nela, entre outras, o ex-juiz afirmou que parte das mensagens ‘foi descuido’ dele.

Veja a sequência que o Intercept divulgou:

Santos Lima – 22:10 – Achei que ficou muito bom. Ele começou polarizando conosco, o que me deixou tranquilo. Ele cometeu muitas pequenas contradições e deixou de responder muita coisa, o que não é bem compreendido pela população. Você ter começado com o Triplex desmontou um pouco ele.

Moro – 22:11 – A comunicação é complicada pois a imprensa não é muito atenta a detalhes

Moro – 22:11 – E alguns esperam algo conclusivo

Moro – 22:12 – Talvez vcs devessem amanhã editar uma nota esclarecendo as contradições do depoimento com o resto das provas ou com o depoimento anterior dele

Moro – 22:13 – Por que a Defesa já fez o showzinho dela.

Santos Lima – 22:13 – Podemos fazer. Vou conversar com o pessoal.

Santos Lima – 22:16 – Não estarei aqui amanhã. Mas o mais importante foi frustrar a ideia de que ele conseguiria transformar tudo em uma perseguição sua.

O Intercept afirma ter entrado em contato com Moro antes da divulgação e recebeu a seguinte nota:

“O Ministro da Justiça e Segurança Pública não comentará supostas mensagens de autoridades públicas colhidas por meio de invasão criminosa de hackers e que podem ter sido adulteradas e editadas, especialmente sem análise prévia de autoridade independente que possa certificar a sua integridade. No caso em questão, as supostas mensagens nem sequer foram enviadas previamente.”

Para acessar todo o conteúdo divulgado nesta sexta, clique aqui.